Toledo – A espera de uma família para liberação do corpo de uma jovem que morreu de infarto em Toledo no último fim de semana reacendeu a discussão sobre a falta de efetivo no IML (Instituto Médico Local).

O problema não estaria na falta de médicos, já que quatro estão nomeados para a função ali, mas de auxiliares de necropsia, pois o espaço não conta hoje com esse profissional, sendo necessário o deslocamento do auxiliar de Cascavel. Em Toledo existe ainda o diretor do IML e um motorista.

Somado a isso, ontem o vereador Ademar Dorfschmidt levou ao Ministério Público local uma denúncia na qual aparece uma pessoa que estaria supostamente atuando no espaço, auxiliando no setor administrativo e até mesmo nos laudos sem ter sido nomeada para as funções.

Segundo o vereador, isso estaria ocorrendo há pelo menos 20 dias. “É uma situação muito complicada para as famílias que perdem um ente querido. O que se espera é que se tomem providências com relação a isso, que se resolva esse problema com a contratação de servidores”, afirmou o vereador.

No IML de Toledo a informação é de que o corpo dessa jovem deu entrada às 2h46 e que foi liberado para a família encaminhar à funerária às 9h40 do domingo e que esse tempo é considerado normal para a realização de uma necropsia. Quanto à pessoa que estaria atuando no local sem ter sido nomeada, a direção do IML nega que isso esteja ocorrendo.

Já a Direção da Polícia Científica do Paraná, órgão ao qual IML está vinculado, informou que “o atendimento do Instituto Médico Legal de Toledo foi realizado normalmente durante o fim de semana”. “Todos os corpos que deram entrada na unidade foram periciados dentro do prazo normal e liberados”, afirmou em nota. “Informamos ainda que a Polícia Científica está estudando alternativas para a reposição do quadro dos funcionários que hoje trabalham na instituição. A contratação de novos profissionais é debatida permanentemente pela Sesp [Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária] em conjunto com outras secretarias de governo, levando em consideração o respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, que estipula um teto de gastos com pessoal”, seguiu.

E acrescenta: “Cabe ressaltar que o governo do Estado tem trabalhado incansavelmente para reforçar o quadro de profissionais da Segurança Pública. Foram contratados mais de 11 mil novos profissionais – das carreiras da Polícia Militar, Polícia Civil, Departamento Penitenciário e Polícia Científica”.

Ainda de acordo com a Polícia Científica, “em março deste ano foram contratados 21 novos agentes da Polícia Científica, outros sete auxiliares de perícia estão em processo de nomeação, que deve ocorrer nas próximas semanas”.