Buenos Aires – O Banco Central da República da Argentina (BCRA) decidiu elevar a taxa básica de juros da economia de 40% para 45% ao ano nessa segunda-feira. A decisão reflete uma nova tentativa da autoridade monetária argentina de conter a disparada do dólar ante o peso argentino. Por volta das 13h, quando a decisão foi anunciada, o dólar valia 30,152 pesos, em alta de 3,18%, acumulando uma alta de mais de 10% apenas neste mês. No ano, essa desvalorização do peso já ultrapassa os 60%.

"Em resposta à conjuntura externa atual e ao risco de um novo impacto sobre a inflação doméstica, o Comitê de Política Monetária do BCRA decidiu, por unanimidade, se reunir fora do cronograma pré-estabelecido e aumentar a taxa de juros para 45%", afirmou a instituição em comunicado.

Além disso, o BCRA apontou que, para garantir que as condições monetárias mantenham o viés de aperto, "nos comprometemos a não diminuir o novo nível da taxa de juros até, pelo menos, outubro".

O movimento da autoridade monetária da Argentina vem em meio à crise turca, que preocupa investidores em todo o mundo. Com maior aversão a risco, os investimentos tendem a migrar para ativos considerados mais seguros, como o dólar, desvalorizando as moedas dos países emergentes.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, se posicionou duramente contra o que ele vê como ameaças estrangeiras e a "facada nas costas" dos Estados Unidos, após o governo de Donald Trump ter anunciado tarifas ao aço e ao alumínio turcos.

O banco central da Turquia agiu para tentar acalmar os mercados e a lira reduziu perdas, enquanto a Bolsa de Istambul proibiu as vendas a descoberto, o que diminuiu a pressão sobre os ativos locais.