Cascavel – Nem os recentes escândalos com deflagrações de operações policiais que indicam possíveis irregularidades nos pedágios no Paraná, incluindo tarifas abusivas e atos secretos que suprimiram importantes obras, bem como os entraves judiciais envolvendo as concessionárias, impediram que os grupos que formam o chamado Anel de Integração iniciassem o envio ao governo do estado das propostas para aumento das tarifas.

Ao menos duas das seis concessionárias entregaram ontem as planilhas que deverão compor os novos valores: Ecovia e Ecocataratas, esta que opera três praças de pedágio na região oeste do Paraná, todas na BR-277 em Santa Terezinha de Itaipu, em Céu Azul e em Cascavel.

Em nota ao Jornal O Paraná, o DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem) no Paraná informou que “até as 11h desta segunda-feira (26/11), o DER-PR havia recebido os cálculos para o reajuste contratual anual das tarifas de pedágio das concessionárias Ecocataratas e Ecovia” e que “conforme previsto nos contratos de concessão do Anel de Integração, o percentual é definido por uma fórmula paramétrica composta por índices inflacionários do setor, divulgados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas)”.

A partir do protocolo do pedido, há um prazo de cinco dias úteis para conferência dos cálculos pelo DER-PR e homologação pela Agepar (Agência Reguladora do Paraná).

Assim, o DER considera, por exemplo, que não se pode falar ainda em percentuais a serem reajustados. A reportagem questionou a concessionária e o Departamento os principais itens levados em consideração na planilha para a composição dos cálculos. No mês passado, fontes ligadas à Agepar relataram que as concessionárias estariam considerando cobrar pelas “perdas de arrecadação” devido ao fim da cobrança dos eixos suspensos de caminhões desde junho determinado pelo governo como uma das medidas para pôr fim à greve dos caminhoneiros de maio. Esta informação não foi confirmada, mas também não foi descartada. Por conta disso, alguns percentuais já chegavam à casa dos 27%.

Porém, após a decisão judicial da semana passada com o bloqueio de R$ 1 bilhão do Grupo Triunfo, que administra a Econorte, além da suspensão imediata do pedágio de Jacarezinho, no norte do Estado, a expectativa era de que as concessionárias poderiam recuar no pedido de reajuste ou revisar suas planilhas para baixo, considerando apenas a reposição da inflação.

A Ecocataratas informou que “ainda não concluiu o processo de revisão tarifária, não tendo como informar o percentual a ser reajustado”. Indagada sobre a confirmação da chegada de suas planilhas ao DER, a concessionária completou que “enviou uma prévia ao governo, mas somente com os índices calculados até setembro, pois os de outubro não foram disponibilizados, dessa forma, não são dados oficiais”.