Mãe de primeira viagem, Mirian Oliveira imaginava que a amamentação seria uma das fases mais belas de toda a maternidade. O que não pensava é que essa troca de amor e carinho entre a mãe e o bebê poderia ser repleta de dificuldades e de muito aprendizado. “Achava que seria tudo bem, tudo fácil. No entanto, tive bem pouco leite, que demorou para descer, e quando desceu, meu filho, o Davi, não queria pegar de jeito nenhum, pois já havia se acostumado a ser amamentado no copinho enquanto estava no hospital”, conta a mãe. A experiência não durou nem uma semana e em pouco tempo seu leite secou.

Assim como Mirian, milhares de mulheres passam pelo mesmo problema.

Segundo o Ministério da Saúde, o tempo médio de amamentação das brasileiras é de 54 dias, menos de dois meses, número que demonstra também a realidade local e contraria o que recomenda a Organização Mundial da Saúde, de que os bebês mamem exclusivamente no peito por seis meses. Além disso, se possível, depois da introdução alimentar, a amamentação deve continuar até pelo menos dois anos.

Conforme a doula e consultora em amamentação Karine Gaffuri, uma das principais dificuldades das mães é o manejo prático de todo o processo, além do desencorajamento nas primeiras tentativas frustradas e os mitos que o envolvem. “A família, muitas vezes com o intuito de ajudar, transmite mitos que são negativos à amamentação. Um deles é sobre as fissuras na mama, por exemplo, e o uso de bicos artificiais, grandes causadores de lesões”, diz.

Semana Mundial

Pensando nessas e em outras questões é que o Banco de Leite do Hospital Universitário do Oeste do Paraná, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, realiza hoje a abertura oficial da Semana Mundial da Amamentação, às 16h, no anfiteatro da Univel, com programações que se estendem durante todo o mês em alusão ao Agosto Dourado, período em que há um incentivo ainda maior às mães que desejam amamentar.

De acordo com a coordenadora do Banco de Leite do HU, Anelise Vieczorek, uma das atrações especiais desta semana está marcada para o próximo sábado (4), quando ocorre o 2º Encontro da Amamentação, das 14h às 17h, no Lago Municipal de Cascavel. Além disso, as universidades locais organizam palestras sobre o tema, em horários e datas a serem divulgados.

7 litros por dia

O Banco de Leite do HU possui papel importante no que tange a amamentação e é por lá que muitas mães podem se ajudar. A forma mais eficaz é doando leite materno para amamentar bebês que estão internados na UTI Neonatal do hospital.

Por dia, segundo Anelise, são necessários sete litros de leite, o que representa em torno de 250 litros ao mês que sustentam diariamente 25 recém-nascidos que se alimentam a cada duas horas. O número de doadores é de aproximadamente 120 mulheres. Para ser uma doadora basta entrar em contato pelo (45) 3321-5151.