A adolescente de 13 anos que disse ter sido abusada sexualmente pelo padrasto desde os dez anos de idade, em Cascavel, teve alta do HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná) na sexta- feira (28) e, na sequência, foi conduzida ao Conselho Tutelar, onde foi decidido pelo acolhimento, segundo a conselheira Sirlei Soares. Até então, a informação era de que ela ficaria com o pai biológico. “Tivemos uma conversa na unidade com a menina, o pai biológico e a madrasta. Apesar de o pai morar perto da casa onde a vítima residia, na região norte da cidade, eles não tinham vinculo afetivo e o pai não participava efetivamente da vida da menina. Com isso, decidimos pelo acolhimento”, explica a conselheira tutelar.
Uma das opções na semana passada era que a garota fosse para a casa da “tia” que a havia acompanhado até o médico. “Isso foi tirado de cogitação, já que essa mulher não era tia [biológica] como as duas haviam relatado durante os atendimentos médicos. Ela é cunhada da mãe da menina, sem ligação sanguínea com a vítima”, esclarece a conselheira.

Padrasto preso
A Polícia Civil decretou na sexta-feira (28) o pedido de prisão preventiva do padrasto, que foi aceito pelo Poder Judiciário no mesmo dia. O acusado foi localizado e encaminhado para a Cadeia Pública de Cascavel, onde permanece detido.
O Nucria (Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes) segue com as investigações, em segredo de Justiça.
O processo foi encaminhado para a Vara da Infância e da Juventude de Cascavel, que acompanha o caso.