O Paraná confirmou o primeiro caso da variante Lambda (C.37), originária do Peru, nesta sexta-feira (13), após o sequenciamento genômico pela Fiocruz, conforme amostragem aleatória, encaminhada pelo Lacen (Laboratório Central do Estado).

Uma mulher, de Londrina, sem comorbidades e que não havia sido vacinada, coletou exames em 9 de julho, após os primeiros sintomas no dia 5. Ela não foi internada e teve sintomas leves.

Dois outros casos da variante Delta também foram confirmados, nas 91 amostras que foram processadas. Também uma mulher, moradora de Londrina, que apresentou sintomas no dia 4 de julho, sem informações ainda sobre a vacinação.

Já o segundo caso da Delta foi confirmado em Cascavel, com sintomas no dia 9 de julho e coleta do RT-PCR no dia 13 do mês passado, e que não havia sido vacinado.

“Temos insistido para que a população vá se vacinar. A primeira dose é muito importante. E a segunda é fundamental para criar o escudo da imunidade. Isso nos ajuda na proteção, inclusive das variantes. Fica mais uma vez o pedido, vacina é a nossa única e efetiva arma hoje para combater o vírus”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O Paraná contabiliza 56 casos da variante Delta e 18 óbitos. O Estado já reconheceu transmissão comunitária da nova cepa.