Um século de festas

Carmelindo Farias - Nascimento: 10/09/1918 - Falecimento: 05/09/2019

Carmelindo Farias nasceu em Soledade (RS) e, apesar de a cidade ter nome que remete à solidão, ele nunca gostou de ficar só e muito menos em silêncio. “Ele era muito ativo. Gostava de cultivar amizades, fazer festas, estar realmente envolvido com as pessoas”, conta a filha Marli Farias.

Carmelindo conheceu a esposa, Eva, em sua cidade natal. Na época, trabalhava com agricultura. Desde sempre os dois cultivavam o desejo de viver na cidade, especialmente alguma que fosse promissora ao progresso.

“Nós viemos para o Paraná em 1964. Primeiro moramos em Barracão e depois em Marmelândia [distrito de Realeza]. Dez anos depois viemos para Cascavel”, conta Marli.

Apaixonado por gente, Carmelindo já tinha cinco filhos. E, depois que chegou ao Paraná, teve mais cinco.

Família

De acordo com Marli Farias, pensar em viajar é pensar no pai e na família reunida. “Ele adorava ir à praia. Nós sempre íamos para Guaratuba. Um dia ele ficou doente e nós falamos que, se ele melhorasse logo, nós iríamos compensá-lo com uma viagem. Não deu outra, logo ele já estava melhor”, conta.

Plantações

Mesmo depois de se aposentar, Carmelindo Farias não deixou a vocação pelo trabalho como agricultor. Ele cultivava feijão, mandioca e milho para consumo da família.

A despedida

Aos 98 anos de idade, Carmelindo Frias sofreu um derrame e desde então ficou acamado.

Há pouco tempo, ele desenvolveu pneumonia, mas a família demorou a perceber. “Nós não sabíamos, porque ele estava acamado, mas começamos a perceber que ele estava quieto demais e com dificuldades para respirar”, relata a filha Marli Farias.

De acordo com ela, Carmelindo ficou dez dias internado no hospital, mas não resistiu e faleceu no dia 5 de setembro, cinco dias antes de completar 101 anos de vida.

Carmelindo Farias deixa dez filhos, 25 netos, 16 bisnetos e a esposa, Eva Farias.



Fale com a Redação

dezenove + 3 =