Com a proximidade do início da operação do novo sistema de transporte público de Cascavel, projetado para o mês de novembro, um evento que já se tornou tradicional entre a população pode estar com os dias contados.

O Domingão no Calçadão, que fecha a Avenida Brasil das 13h às 18h, no trecho entre as ruas Sete de Setembro e Carlos Gomes, no centro da cidade, está bem no traçado dos corredores exclusivos dos ônibus.

Como os novos veículos que circularão nas avenidas Brasil, Barão do Rio Branco e Tancredo Neves terão portas do lado esquerdo, para o embarque e desembarque de passageiros nas estações dos canteiros centrais das avenidas, fica praticamente inviável o desvio do itinerário das linhas para as Ruas Rio Grande do Sul e Paraná, pois nas avenidas os pontos são à esquerda, e nas ruas à direita.

A coordenadora-geral do Domingão no Calçadão, Simone Soares, disse que a prefeitura já estava ciente dessa situação, mas como o sistema demoraria para sair do papel, implantaram o Domingão mesmo assim.

“Estamos vendo agora com engenheiros, a equipe técnica de planejamento e trânsito, com o prefeito e envolvidos no projeto uma solução para não afetar as atividades do Domingão. Estamos tendo uma grande aceitação da população. Vamos tentar encontrar uma forma de conciliar o transporte com o evento”, diz.

A coordenadora resalta que não daria para acabar com o projeto, pois já é parte do fim de semana das famílias cascavelenses. Segundo ela, as atividades recreativas e culturais se inserem dentro das visões de grandes cidades que primam por qualidade de vida da população. “Realmente é uma situação muito complexa, difícil, mas vamos ter que dar um jeito”, disse Simone.

O presidente da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito), Alsir Pelissaro, disse que ainda não havia analisado essa situação e afirmou que pretende se reunir com o prefeito Leonaldo Paranhos para encontrar uma solução.

Remanejamento

Uma das possibilidades apontadas por Pelissaro seria o remanejamento das atividades para os bairros ou concentrá-las em frente à Catedral Nossa Senhora Aparecida. “Vamos ter que ver todos os detalhes. Nem que seja feito algum desvio curto, em um determinado período de tempo”, diz.

Outro problema na conciliação do sistema de ônibus com o Domingão no Calçadão é que as maiores estações da Avenida Brasil estão em frente à Catedral, onde há um fluxo maior de passageiros.

Um estudo apresentado na semana passada pela empresa Datapron, sobre a implantação do BRQ (Bus Rapid Quality – Ônibus Rápido com Qualidade) em Cascavel, prevê linhas saindo do Terminal Sudoeste até o Nordeste; do Oeste para o Leste e do Sudoeste para o Leste. Todos esses trajetos incluem o corredor da Avenida Brasil e a linha Sudoeste/Nordeste terá ainda em seu percurso as avenidas Barão do Rio Branco e Tancredo Neves, que também foram revitalizadas para receber o novo sistema.

Mudanças

A troca por veículos convencionais, com portas à direita, para operar as linhas de uma forma que possam fazer os desvios para as Ruas Paraná e Rio Grande do Sul, no horário do Domingão, também se torna inviável por essa questão técnica. Em algum momento haverá conflito entre o lado do ponto de embarque e desembarque de passageiros e o lado das portas dos ônibus.

Cascavel terá também ônibus com portas dos dois lados para a linha Centro/Terminal Sul, que vai integrar a região Sul com o corredor da Brasil, mas serão somente seis unidades adquiridas pelas empresas de transporte. Neste caso, mesmo com portas de ambos os lados, os veículos não podem ser visto como opção para atender o desvio de itinerário no trecho do Domingão, já que são poucos coletivos e não conseguiriam atender a todos os horários e linhas que passam pele Avenida Brasil.

Compra reduzida

A compra de ônibus já foi reduzida para não elevar o custo das empresas que operam o sistema e consequentemente não ter reflexo na tarifa do transporte coletivo. Sendo assim, a aquisição de mais ônibus com portas dos dois lados também não seria viável.

Analisando os projetos do sistema, e também a forma que hoje o Domingão é realizado, é possível concluir que a continuidade do projeto recreativo e cultural na parte central da cidade se tornará inviável.

O presidente do IPC (Instituto de Planejamento de Cascavel), Cletírio Feistler, também foi procurado, mas disse que não poderia falar sobre o assunto, por se tratar de um tema que está vinculado somente com à Cettrans.

Fotos: Divulgação

Imagem 1: domingão_secom_ (3)

Legenda: Atividades do Domingão, Calçadão, Fechadão ficam no meio do corredor exclusivo para ônibus da Avenida Brasil

Imagem 2: domingão_secom_ (2)

Legenda: Evento da Prefeitura de Cascavel já se tornou ponto de encontro das famílias da cidade

Imagem 3: domingão_secom_ (1)

Legenda: Desvios das linhas de ônibus, para as ruas Rio Grande do Sul e Paraná, com base no tipo de veículo dos corredores é inviável