Toledo – Um dia após declarar Bandeira Preta de risco à covid-19, Toledo viveu um dia de caos. O sistema de saúde colapsou, não apenas em Toledo, mas em toda a 20ª Regional de Saúde. À noite, não havia lugar para levar pacientes e as autoridades temiam o risco de ter de deixá-los em ambulância.

Em Toledo, todos os respiradores do Mini-Hospital estavam ocupados, mantendo 23 pacientes intubados, muito além da capacidade. Todos deveriam estar em um hospital, mas não há vagas. “A situação é dramática”, resumiu o médico Rodrigo Nicácio, do Samu.

Uma reunião foi convocada ontem à noite mesmo com representantes da Regional de Saúde, do Ministério Público, de municípios da 20ª Regional, Samu e Central de Leitos para fazer um pente-fino em toda a região e tentar descobrir o que poderia ser feito. Contudo, a sobrecarga do sistema vem sendo percebida desde fevereiro e, apesar da ampliação de leitos, não há folga na estrutura.

Pior, a situação apenas evidencia a sobrecarga de toda a Macro-Oeste, que há meses opera com lotação acima de 96%. Para se ter uma ideia, ontem à tarde havia 191 pacientes aguardando vaga em UTI em toda a Macro, mas não tinha leito disponível nos 17 hospitais que atendem covid-19.

 

Avanço da covid

Toledo é a cidade do oeste com maior número de casos ativos (com capacidade de transmitir o vírus). Ontem, eram 1.499, mais que o triplo de Cascavel (460) e mais que o dobro de Foz do Iguaçu (628), cidades mais populosas.

A cidade também mantinha 96 moradores internados, enquanto Cascavel informou ter 109 e, Foz, 193.

Contudo, o total de mortes é menor. Até ontem, Toledo registra 334 óbitos em decorrência de complicações da covid-19. Foz lidera, com 939, seguido por Cascavel, com 760.

 

 

Paraná registra 5.123 casos e 211 óbitos por covid-19

 

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa quarta-feira (9) mais 5.123 casos e 211 mortes pela covid-19 no Paraná. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.126.308 casos e 27.386 óbitos.

Os casos divulgados são de janeiro (140), fevereiro (16), março (51), abril (142), maio (801) e junho (3.960) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: julho (1), agosto (1), novembro (3) e dezembro (8).

O informe relata que 6.101 pacientes estão em alas exclusivas para tratar covid-19, sendo 2.499 em UTI. Há ainda outros 1.167 aguardando transferência, dos quais 640 para UTI.

Quanto às mortes, tratam-se de 91 mulheres e 120 homens, com idades que variam de 26 a 95 anos. Os óbitos ocorreram de 3 de abril a 9 de junho de 2021.