COTIDIANO

RETROSPECTIVA 2017: Delator acusa alto escalão do Estado

31 de dezembro de 2017 às 15:00
Publicidade

Quadro Negro

Um depoimento sacudiria a alta cúpula tucana do Paraná. Principal envolvido no desvio de dinheiro da educação do governo do Paraná, o dono da Valor Construtora, Eduardo Lopes de Souza, contou em setembro ao MPF, em colaboração premiada, detalhes dos desvios de recursos da Secretaria de Educação do Paraná, envolvendo os três maiores líderes tucanos do Estado: o governador Beto Richa, o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, e o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano.

O dinheiro, disse, era devolvido para a cúpula e parte abasteceria a campanha deles, em 2014.

Por terem privilégio de foro, as investigações contra Beto Richa e Valdir Rossoni seguem à espera de autorização do STF (Supremo Tribunal Federal).

Seis anos após promessa, cadeias seguem lotadas

Se a promessa feita ainda em 2011 pelo governo do Estado tivesse sido cumprida, o sistema carcerário do Paraná não estaria prestes a explodir. Em apenas uma semana de setembro, do dia 1º ao dia 8, foram três tentativas de fuga em cadeias superlotadas na região oeste.

A promessa feita pelo governador Beto Richa era de criar 9 mil vagas no sistema prisional, mas as cadeias abrigavam na época três vezes mais detentos que sua capacidade, isso sem contar a própria precariedade das estruturas sem manutenção.

Um dos casos mais críticos era e continua sendo o de Toledo, onde a lotação naquele mês era de cinco vezes a capacidade máxima. O Estado diz que o problema está com os dias contatos, mas obras anunciadas ainda para setembro não saíram do papel ainda.

Região rumo às exportações recordes

Nunca a região oeste vendeu tanto quanto em 2017. Já no mês de setembro a balança comercial se mostrava superavitária em um estágio nunca visto antes. Na época as vendas para outr5os países chegavam à cifra de US$ 1,2 bilhão, alta de 16% com mais de 1,6 bilhão de toneladas vendidas, volume 18% maior que no mesmo período do ano passado. Desta forma, as exportações seguiram para um recorde histórico, podendo passar de R$ 1,8 bilhão em faturamento. Um dos principais destaques é a venda de carnes, especialmente de frango, cuja demanda europeia e asiática vem crescendo.

Sistema de abastecimento ficou em alerta após seca

A estiagem que assolava por quase dois meses boa parte do País em setembro, inclusive o Paraná, preocupou o sistema de abastecimento. Em algumas cidades da região, a queda nos reservatórios chegava a 30%. Em São José das Palmeiras, por exemplo, o abastecimento precisou ser reforçado com caminhão-pipa.

Em um ato de extremo desespero, produtores da região intensificariam ainda em setembro o plantio da safra de verão mesmo sem uma gota de chuva por quase dois meses e com o solo absolutamente seco. Os produtores arriscaram tudo porque um atraso maior prejudicaria a safrinha e as perdas serão ainda mais elevadas.

O Paraná viveu no mês de setembro uma das suas piores estiagens, condição agravada por um dos maiores índices de queimadas da história. Com nascentes, rios e poços secos, as prefeituras socorrem o campo com caminhões-pipas. O clima seco, que deixava a umidade relativa do ar em níveis alarmantes, piorou muito com as queimadas. Setembro teve a maior incidência dos últimos 12 anos. A média foi de uma área queimada a cada 13 minutos.

Federação denuncia abandono de Vant

A inoperância do Vant (Veículo Aéreo Não Tripulado) da Polícia Federal, parado há quase dois anos na base aérea de São Miguel do Iguaçu, foi denunciada ao TCU (Tribunal de Contas da União) pela Federação Nacional de Policiais Federais que iniciou pelo oeste do Paraná um projeto para traçar o diagnóstico da situação das forças policiais na fronteira brasileira. O grupo vai percorrer até março de 2018 os quase 17 mil quilômetros de fronteira com os países da América do Sul, passando por 17 bases.

Menores infratores: R$ 16 mil por mês

Cada menor em conflito com a lei que está internado em um dos 27 Censes do Paraná custou, por mês, cerca de R$ 16 mil durante o ano de 2017. O valor equivale ao custo de 23 alunos da rede básica de ensino no mesmo período e é cinco vezes maior que o gasto com cada preso mantido nas penitenciárias estaduais. Em 2016, o governo destinou mais de R$ 186 milhões para a ressocialização desses jovens infratores. Os valores bancam uma ampla equipe de profissionais da área de saúde, professores e atividades extracurriculares.

Pais impedem inauguração de escola

Em uma iniciativa surpreendente, uma mãe tumultuou o que era para ser a solenidade de inauguração do Colégio Princesa Izabel, na pequena Três Barras do Paraná, no oeste do Estado. O governo gastou R$ 100 mil para reformar a estrutura, que foi entregue cheia de defeitos: são paredes tortas, pinturas mal feitas, pisos se soltando, buracos nos tetos e nas paredes, um verdadeiro show de horrores.

BR-277: Governador garante duplicar restante

O governador Beto Richa declarou em setembro em Cascavel que o Estado iria bancar com recursos próprios os seis quilômetros que faltaram da duplicação da BR-277 entre o trevo da PR-180 e o trevo de São João, passando pelo Show Rural, conforme o prometido quase dois anos atrás e que foi “engolido” na assinatura do contrato, no fim do ano passado, reduzindo para apenas 3,2 km os 9,4 quilômetros anunciados. Nem concessionária nem governo tocaram mais no assunto.

Descaso

Com cerca de 160 presos trancafiados isoladamente já que boa parte deles é considerada os mais perigosos do País, a Penitenciária Federal de Catanduvas abriga detentos que já poderiam estar em casa. Isso se o Congresso já tivesse concluído a criação da Polícia Penal, tal qual obriga o Tratado de Tokio. São ao menos 60 presos que oneram os cofres públicos, mantidos em apenas um dos quatro presídios de segurança máxima do País.

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE