CORONAVÍRUS

Profissionais de enfermagem de HUs recebem prêmio do Coren-PR por atuação na pandemia

05 de maio de 2022 às 16:45
Publicidade

Profissionais de Enfermagem dos hospitais ligados às universidades estaduais de Londrina (UEL), de Ponta Grossa (UEPG) e do Oeste do Paraná (Unioeste) receberão no dia 12 de maio o Prêmio Protagonista 2021, concedido pelo Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren-PR). São homenageados profissionais que se destacaram na assistência a pacientes acometidos pelo novo coronavírus, nos anos de 2020 e 2021.

Ao todo, 139 enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem de todo o Paraná que atuaram na linha de frente do combate à pandemia foram indicados ao prêmio e participaram da votação popular que ocorreu entre os dias 30 de março e 11 de abril. Os 60 profissionais mais votados serão homenageados e receberão o título de Protagonista da Enfermagem 2021. A solenidade presencial ocorrerá na mesma data em que se comemora o Dia Internacional da Enfermagem.

Uma das contempladas é a auxiliar de enfermagem Silmara Mariano, que trabalha há 21 anos no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), em Cascavel. A profissional atuou na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e na ala influenza H1N1. Na pandemia, foi a primeira servidora a se voluntariar para estar na unidade voltada ao combate da Covid-19.

“Prestei cuidados intensivos e ajudei na criação do serviço de hemodiálise do hospital. Fiz acolhimento e auxiliei na realização das chamadas de vídeo para a família dos pacientes acometidos pela doença”, explica. Sobre a indicação ao prêmio, ela se emociona. “Quando fui indicada pela direção do hospital fiquei muito tocada. Estar entre os 60 nomes escolhidos me deixa muito feliz pelo reconhecimento dos meus companheiros de trabalho de todas as áreas, desde a equipe de apoio à Medicina”, afirma.

RECONHECIMENTO – No hospital da UEPG, a contemplada com o Prêmio é a enfermeira Terezinha Pelinski da Silveira. Ela está na instituição desde 2009, quando foi criado o então Hospital Regional dos Campos Gerais. Durante a pandemia assumiu a coordenação da Clínica Covid, onde participou da implantação dos leitos exclusivos para a doença, além de ter sido a primeira pessoa da região de Ponta Grossa a receber a vacina.

“É uma honra participar dessa premiação, pois a honraria não é só para mim, mas para a enfermagem como um todo. É um reconhecimento dos profissionais que se dedicaram tanto ao combate da pandemia e que lutaram em prol do ser humano”, comemora.

Joseane de Oliveira Vieira, há 24 anos no Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná, em Londrina, também foi selecionada. Ela atuou na supervisão de enfermagem noturna tanto no HU quanto no Hospital de Retaguarda e foi responsável pelo acolhimento aos pacientes e familiares dos acometidos pela Covid-19.

“Entre tantas funções a mais impactante foi ajudar enfermeiros no acompanhamento dos familiares que recebiam a notícia de óbito dos seus entes queridos. Esses velórios instantâneos foram extremamente difíceis, eu auxiliava as famílias, oferecia orientações e acolhia da melhor forma possível”, lembra a enfermeira, que também destaca a colaboração e o trabalho de toda equipe do hospital envolvida no combate a doença.

“Ganhar o prêmio é muito gratificante. Mas isso só aconteceu graças à equipe multidisciplinar que dedicou seu tempo, trabalho e conhecimento em prol de tantas vidas. Esse prêmio representa todos da nossa equipe de enfermagem no HU/HR/UEL”, enfatiza.

As enfermeiras Joseane de Oliveira Vieira; Margarete de Araujo Andrade; a técnica em enfermagem Vilma Fátima dos Reis; a superintendente Vivian Biazon El Reda Feijó, ligadas ao HU da UEL, e o enfermeiro Joabe Candido Ferreira, do HUOP, também foram indicados ao Prêmio e receberão certificação de participação do Coren-PR.

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS – Os hospitais vinculados às universidades estaduais do Paraná são referência para o SUS (Sistema Único de Saúde) em diversas especialidades, além de terem reforçado as ações de combate à pandemia, disponibilizando centenas de leitos exclusivos para pacientes acometidos pela Covid-19.

Em Cascavel, o Hospital Universitário do Oeste do Paraná disponibilizou 70 leitos de terapia intensiva (UTI) durante a pandemia e mais de 1,6 mil pacientes passaram pela unidade Covi-19. Em Londrina, o Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná ofertou 213 leitos, sendo 96 de enfermaria, 106 de UTI adulto e 11 de UTI pediátrica. No complexo hospitalar da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) foram 103 vagas para pacientes com a doença: 46 leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI); 48 leitos clínicos; quatro leitos de emergência; e cinco leitos de enfermaria no Pronto Atendimento.

Fonte: AEN

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE