São Paulo – A Pfizer divulgou ontem (14) os resultados de um estudo que confirmam a eficácia do antiviral Paxlovid no tratamento da Covid-19. Segundo comunicado, os testes indicaram que a pílula produzida pela farmacêutica reduziu em 89% o risco de internação e morte em decorrência da doença entre os adultos mais vulneráveis ao vírus, tratados dentro de três dias após o início dos sintomas. Conforme a farmacêutica, testes em laboratórios indicaram que o produto funciona contra a variante Ômicron.

Para aqueles que receberam o Paxlovid após cinco dias dos sintomas, a redução de risco de hospitalização e morte foi um ponto porcentual menor, ficando em 88%. Em análise intermediária, a taxa foi de 85%. A pesquisa de fase 2/3 que avaliou a eficiência do medicamento teve a participação de 2.246 adultos, a maioria infectada pela variante Delta. Segundo a Pfizer Inc., a maior parte dos eventos adversos foram de intensidade leve.

“Esta notícia fornece mais corroboração de que nosso candidato a antiviral oral, se autorizado ou aprovado, pode ter um impacto significativo na vida de muitos, já que os dados apoiam ainda mais a eficácia do Paxlovid na redução de hospitalizações e mortes e mostram uma diminuição substancial na carga viral”, disse o CEO da Pfizer, Albert Boula.

A farmacêutica informou que os dados foram compartilhados com a Food and Drug Administration (órgão americano equivalente à Anvisa), como parte da submissão contínua para a autorização de uso emergencial. Caso aprovado, o tratamento com o Paxlovid será administrado em duas doses diárias ao longo de cinco dias.

Já análises provisórias do estudo de fase 2/3 para adultos menos vulneráveis (vacinados ou fora de grupo de risco para a covid) mostraram uma redução de 70% no risco de hospitalização e nenhuma morte, em comparação com o placebo.