Cascavel – Os esforços do setor produtivo, da Frente Parlamentar sobre o Pedágio e da sociedade civil organizada não foram suficientes para retirar a praça de pedágio prevista para ser instalada na BR-467, entre Cascavel e Toledo.

A nova modelagem da concessão ainda não foi apresentada pelo Ministério da Infraestrutura ao governo do Paraná, contudo, a praça é dada como certa pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. A única promessa é que essa deverá ser a praça com a menor tarifa, e, para os usuários frequentes, o desconto será maior.

Essa é uma das 15 novas praças previstas na concessão e ela integra o lote 5, que vai de Guaíra até Cascavel (BR-163) e de Cascavel até Maringá (BR-369), incluindo a duplicação da BR-369 e de um trecho de 58 km da BR-163 de Guaíra a Marechal Cândido Rondon. Serão duas novas praças, a outra entre Rondon e Guaíra. Pelo projeto original, essa praça teria tarifa prevista em R$ 9,39.

O projeto de concessão dos mais de 3.100 quilômetros de rodovias que cortam o Paraná retornou ao Ministério após pressão do setor produtivo e do governo, contrários à proposta de licitação com limite de desconto (de 17%) e outorga.

Agora, a principal discussão que resta é quanto ao aporte de recursos que cada concessionária precisará dar para vencer a licitação. O Ministério previu um valor, mas o governador Ratinho Junior e o secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, não aceitaram, pois o valor era muito alto e poderia obstar o desconto sobre as tarifas.

A previsão inicial era de que o projeto seria entregue no fim de junho, agora a expectativa é de que até o fim desta semana a proposta seja apresentada formalmente ao governo do Paraná.

Embora os atuais contratos vençam em 27 de novembro, a previsão é de que a próxima licitação só ocorra no primeiro trimestre do ano que vem e a próxima concessão se inicie no segundo trimestre.

Oeste é chamado para a mesa

Após críticas das entidades do oeste por terem sido deixadas de fora no debate do novo modelo de concessão de rodovias do Paraná, ontem (7) o governador Ratinho Junior, o secretário Sandro Alex e o chefe da Casa Civil, Guto Silva, receberam uma comitiva da região para discutir o assunto.

Estiveram presentes no encontro a diretoria do POD (Programa Oeste em Desenvolvimento) e representantes do Codesc (Conselho de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Cascavel), da Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná) e do Sindicato Rural de Cascavel.

Na análise do presidente do POD, Rainer Zielasko, as conquistas são positivas. “É uma conquista que partiu do oeste, das nossas manifestações. Conseguimos conquistar esse espaço. E hoje o governador chamou o oeste pelo respeito que tem, pela representatividade do oeste nesse movimento. Conseguimos tirar a outorga e fazer com que a licitação caminhe para o lado da concessionária que dê o maior desconto. Contudo, ainda há outras questões que precisamos debater, como degrau tarifário, que acreditamos que seja muito alto [40%]. Também precisamos discutir a garantia [caução] das obras que o governador está negociando com o ministro”.

Zielasko também destaca o projeto de infraestrutura previsto para a região nos próximos anos. “São 44 bilhões de investimentos do pedágio, além disso, tem a construção da nova ferrovia, é uma oportunidade de o oeste dar um salto de infraestrutura muito grande. Porém, tudo isso deve ser feito com calma, pois não pode ser asfixiante para quem vai ter que pagar a conta”, alerta.

Na próxima segunda-feira (12), as entidades que estiveram reunidas com o governador farão uma reunião na Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel) para apresentar as novidades sobre o projeto do pedágio.

Leia também: