Cascavel – O Paraná fechou maio como o estado que mais abriu postos de trabalho com carteira assinada na Região do Sul. O saldo foi de 15.884 contratações, resultado de 118.151 admissões e 102.267 desligamentos, ante 13.587 de Santa Catarina e 7.458 do Rio Grande do Sul. O resultado representa um aumento de 111,65% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram encerrados pouco mais de 26 mil vínculos no Estado.

É também o quarto melhor desempenho do País no período, atrás apenas São Paulo (104.707 vagas), Minas Gerais (32.009) e Rio de Janeiro (17.610). Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados nessa quinta-feira (1º) pelo Ministério da Economia.

“É um resultado bastante expressivo, que comprova o bom momento econômico pelo qual passa o Paraná. São crescimentos consecutivos durante o ano, mesmo em um momento conturbado, com o foco no controle da pandemia da covid-19. Reforça também a percepção do mercado de que o Estado é um ótimo lugar para se fazer investimentos”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

O saldo positivo de maio é o quinto consecutivo do Estado. Com os ajustes mensais realizados pelo Caged, foram abertos 24.342 postos em janeiro, 41.616 em fevereiro, 11.507 em março e 10.019 em abril. No acumulado do ano, o Paraná criou 103.368 empregos formais, também o quarto melhor desempenho nacional, atrás de São Paulo (389.529), Minas Gerais (159.099) e Santa Catarina (111.514).

Setores

O saldo de empregos no Estado em maio foi puxado pelo setor da Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas, que gerou 4.389 vagas. Foi seguida por Comércio, com 3.856 novos postos de trabalho, Indústria (3.482), Administração Pública (1.728), Construção Civil (1.648), Transporte (520), Outras Atividades de Serviços (272) e Agricultura e Pecuária (197).

Apenas os setores de Alojamento e Alimentação e Artes, Cultura, Esporte e Recreação apresentaram desempenho negativo, com 103 e 106 demissões de saldo.

 

Cascavel lidera geração de emprego no interior do Estado

No acumulado de janeiro a maio, Cascavel lidera a geração de empregos no interior do Estado, com 5.161 vagas abertas em cinco meses. Curitiba responde por 23.393 novos postos de trabalho. Também do oeste, Toledo aparece como quinta, com 3.049 empregos criados neste ano.

Considerando apenas maio, a sequência é a seguinte: Curitiba, com 5.892 novas vagas, seguida de Maringá (1.163), Toledo (853), Araucária (728), Cascavel (650), Umuarama (389), São José dos Pinhais (384), Foz do Iguaçu (252), Paranavaí (214) e Colombo (197).

Dos 50 municípios do oeste, apenas quatro têm saldo negativo neste ano. Vinda de um 2020 bastante difícil, Foz do Iguaçu acumula 913 empregos neste ano. Em maio, a Terra das Cataratas abriu 252 vagas formais, após dois meses de resultados negativos.

Destaque na região também para Medianeira, com 910 postos de trabalho criados neste ano.

No total, o oeste do Paraná acumula 14.122 vagas abertas, 78% a mais que o total gerado em todo o ano de 2020, que foi duramente afetado pela pandemia do novo coronavírus.

 

Maiores geradores de emprego de janeiro a maio de 2021

1º      Curitiba      23.393

2º      Cascavel     5.161

3º      Maringá      4.613

4º      Londrina     3.322

5º      Toledo        3.049

6º      Araucária    3.003

7º      São José dos Pinhais      2.700

8º      Pato Branco         1.995

9º      Ponta Grossa        1.841

10º    Apucarana  1.818

Brasil cria 280 mil vagas com carteira assinada em maio

A economia brasileira gerou 280.666 carteiras assinadas em maio, de acordo com os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nessa quinta-feira (1º) pelo Ministério da Economia.

O resultado decorreu de 1,548 milhão de admissões e 1,268 milhão de demissões. Em maio do ano passado, em meio à primeira onda da pandemia de covid-19 no País, houve fechamento de 373.888 vagas com carteira assinada.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o resultado é uma “excelente notícia”. “A economia brasileira continua surpreendendo. Todas as regiões, setores e estados registrando criação de novos empregos. Ou seja, é um processo bastante abrangente. Setores muito fragilizados, como serviços, foram destaque nesse mês”, destacou. “Está confirmada recuperação brasileira abrangente. O ritmo está bastante rápido.”

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2021, ao saldo do Caged é positivo em 1,233 milhão vagas. No mesmo período do ano passado, houve destruição líquida de 1,144 milhão postos formais.

O setor de serviços abriu 110.956 postos formais, seguido pelo comércio, que abriu 60.480 vagas. A indústria geral abriu 44.146 vagas em maio, enquanto houve um saldo de 42.526 contratações na agropecuária. Na construção civil, foram criadas 22.611 vagas no mês.

Caso não consiga visualizar a tabela clique aqui.