Seul – Pessoas infectadas pela variante Delta, mais transmissível, apresentam uma carga viral 300 vezes maior do que aquelas com a versão original do coronavírus nos primeiros dias de sintomas da covid-19, descobriu um estudo sul-coreano.

No entanto, a diferença da carga viral diminui gradualmente ao longo do tempo – para 30 vezes em quatro dias e pouco mais de dez vezes em nove dias – e se iguala aos níveis observados em outras variantes após dez dias de infecção, informou a Agência de Prevenção e Controle de Doenças da Coreia (KDCA) nessa terça-feira.

A carga viral maior significa que o vírus se espalha mais facilmente de pessoa a pessoa, aumentando o número de infecções e hospitalizações, disse o ministro da Sáude Lee Sang-won em uma entrevista à imprensa.

“Mas isso não significa que a Delta seja 300 vezes mais infecciosa… Estimamos que sua taxa de transmissão corresponda a 1,6 vez a taxa da variante Alfa, e a cerca de duas vezes a versão original do vírus”, disse Lee.

O estudo comparou a carga viral de 1.848 pacientes infectados com a Delta a 22.106 pessoas que tinham outras variantes do vírus.

A variante Delta do coronavírus foi identificada inicialmente na Índia, e a variante Alfa, no Reino Unido.

Para conter o avanço da variante Delta, agora já dominante no mundo, o KDCA fez um apelo à população para que façam o teste imediatamente aos primeiros sintomas da covid-19 e para evitar contato pessoal.