A história da vacinologia se divide entre antes e depois da pandemia da Covid-19. É o que dizem especialistas sobre o desenvolvimento em tempo recorde dos imunizantes contra a doença. Agora, cientistas de todo o mundo desenvolvem uma nova geração de imunizantes, com diferentes plataformas e facilidades comerciais.

As vacinas contra Covid foram desenvolvidas rapidamente porque houve financiamento gigantesco. Pela pandemia, as empresas assumiram o risco de dar errado e perderem dinheiro. Embora todas as fases tenham sido respeitadas, elas foram feitas de forma simultânea, aumentando o risco de prejuízo caso dessem errado.

As inovações no setor não param. Há estudos sobre uma nova forma de injetar a vacina sem agulha, seja por adesivo ou até por uma seringa sem agulha que empurra o imunizante através da pele. Algumas são bem experimentais ainda.

 

Em cinco anos

A microbiologista e pesquisadora da USP, Natalia Pasternak, acredita que novas tecnologias usando nanocarregadores em plantas ou nanobactéria possam ser possíveis em até cinco anos. Ela cita um grupo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que desenvolveu uma plataforma vacinal baseada em vírus que normalmente atacam plantas ou bactérias. Essa plataforma usa os vírus como portadores de fragmentos do Sars-CoV-2, que devem provocar uma resposta imune em humanos, protegendo-nos da doença.

Para Pasternak, a questão científica já foi resolvida e agora o grande desafio é resolver problemas sociais. Por isso vacinas em que a plataforma vacinal é planta ou bactéria são boas, porque são fáceis de produzir em qualquer lugar do mundo, nem precisam de segurança máxima.

“Não é que as primeiras vacinas sejam ruins e que devamos esperar pelas próximas. Elas podem ser iguais em termos de qualidade e segurança, mas as novas podem ser mais baratas, mais fáceis de fabricar e de transportar. Tem mais a ver com questões de mercado. Mais apropriadas até para países em desenvolvimento que têm dificuldade de comprar e distribuir”, afirma Pasternak.

 

Foto: Divulgação