Quatro Pontes – A falta de chuvas em Quatro Pontes, no oeste do Paraná, levou o Município a decretar estado de emergência. A situação é mais grave no campo.

Técnicos e entidades ligadas ao setor agrícola, representantes de instituições financeiras, vereadores, representantes de associações do interior do Município, prefeito, vice e secretários municipais se reuniram na última quinta-feira (27) para discutir a situação crítica e decidir as ações a serem tomadas.

O vice-prefeito Tiago Hansel disse que os efeitos gerados pela estiagem causou uma frustração na safra agrícola de verão em todo o território do Município. Como consequência, há danos materiais e ambientais e os prejuízos econômicos e sociais são imensos, conforme relatório apresentado pelas instituições presentes no encontro.

Esse documento serve como base para o decreto de “situação de emergência” em Quatro Pontes.

Segundo levantamento realizado, cerca de 70% dos produtores quatropontenses já encaminharam o Proagro (Programa de Garantia da Atividade Agropecuário), que garante a exoneração de obrigações financeiras relativas à operação de crédito rural de custeio, cuja liquidação seja dificultada pela ocorrência de fenômenos naturais, a exemplo desses vividos nesse período.

Tiago explica que, “tão logo o decreto entre em vigor, os agricultores deverão ter algumas vantagens com as instituições financeiras do Município como forma de auxílio para suprir possíveis prejuízos ocasionados pela seca”.