Uma menina recém-nascida foi abandonada no portão de uma casa na CIC (Cidade Industrial de Curitiba) na madrugada fria de 11°C, nesta quarta-feira (23). A criança, que estava enrolada em cobertores, foi encontrada pelo dono da residência.

Wagner Domingues Ferreira, o morador, contou que era por volta de meia-noite quando chegou em casa e avistou os cobertores enrolados. Ao ver o que era, percebeu o bracinho da criança para fora dos panos.

O homem desenrolou os cobertores e viu que a menina ainda estava com parte do cordão umbilical.

Ele tentou entrar em contato com socorro, mas foi orientado a chamar a Polícia Militar (PM).

Quando a PM chegou, os policiais encaminharam a criança ao Hospital do Trabalhador, onde recebeu o primeiro atendimento. Segundo a polícia, a menina está bem.

A médica que atendeu a criança no hospital disse aos policiais que a menina provavelmente nasceu na tarde de terça-feira (22). Ela foi encaminhada a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal, onde vai ficar para passar por exames.

“Graças a Deus eu cheguei antes que os cachorros da rua. Uma princesinha linda”, disse Wagner.

Os policiais tentam encontrar imagens de câmeras de segurança que possam ter registrado quem deixou a menina no local.

Segundo a PM, o serviço social do hospital fica responsável por acionar o Conselho Tutelar. A Polícia Civil informou que abriu inquérito para investigar o abandono.

Bebê tem 41 semanas, segundo o Conselho Tutelar. — Foto: Reprodução/Wagner Domingues Ferreira
Bebê tem 41 semanas, segundo o Conselho Tutelar. — Foto: Reprodução/Wagner Domingues Ferreira

Abandonar bebê é crime

Abandonar bebê recém-nascido é crime, com pena prevista de um a três anos. Mas o promotor de Justiça Francisco Zanicotti, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), alertou que entregar a criança para adoção não é crime.

“No caso de uma gravidez indesejada, que a mãe não quer ou não pode cuidar, ela pode encaminhar ao Conselho Tutelar ou para a Vara da Infância, que isso de forma alguma é crime. A mãe ou o pai não são julgados, são apoiados para que estes casos de abandonos não aconteçam”.

Fonte: G1 Paraná