O Classe C, líder em vendas no segmento dos sedãs premium, chega ao mercado brasileiro com amplas modificações. Os modelos C 180, C 200 e C 300 que passaram a ser produzidos no Brasil, na cidade de Iracemápolis, desde março de 2016, estão completamente renovados: o design interno e o externo foram aprimorados com uma reconfiguração de estilo. Ao mesmo tempo, há uma arquitetura eletrônica totalmente nova. A experiência de uso – tradicionalmente um ponto forte da marca – foi beneficiada por um display de instrumentos totalmente digital (somente a partir do C 200 EQ Boost) e sistemas multimídia com informações e músicas sob medida.

Entre os modelos mais vendidos da Mercedes-Benz em todo o mundo, o Classe C em sua geração atual registrou quase 2 milhões de emplacamentos ao redor do mundo, desde seu lançamento, em 2014, atingindo um recorde de vendas histórico na família do Classe C entre uma geração e outra. No mesmo período, no Brasil, a família consolidou a preferência dos compradores de seu segmento, com representatividade de 40% de participação dentro do portfólio da marca. Um dos destaques da 30ª edição do Salão do automóvel de São Paulo, a família de sedãs Classe C chega ao mercado inicialmente com quatro versões de sedãs: C 180 Avantgarde, C 180 Exclusive, C 200 EQ Boost e C 300 Sport.

Eletrizante

Uma nova geração de motores de quatro cilindros a gasolina está sendo lançada no novo Classe C, mais especificamente com a introdução do C 200 EQ Boost, essa tecnologia, que une aumento de esportividade e ao mesmo tempo economia de consumo, está sendo incluida pela primeira vez em um veículo da marca. Esse modelo é equipado com uma rede elétrica adicional de 48 volts, com um motor de arranque/alternador unificado acionado por correia (BSG – Belt-driven Starter-generator). O novo motor turbo a gasolina, com 1,5 litros de cilindrada, equipa o novo C 200 EQ Boost e seus componentes elétricos tradicionais, como as luzes, são alimentados por uma rede com 12 volts.

A combinação de uma nova rede elétrica de 48 volts e o BSG cria condições para funções adicionais que ajudam a diminuir ainda mais o consumo de combustível, aumentando, ao mesmo tempo, a agilidade e as características de conforto. Ao acelerar, o BSG pode auxiliar o motor de 183 cv/280 Nm com um “empurrão” de 14 cv e torque de 160 Nm, superando o curto instante até que o turbocompressor tenha desenvolvido sua pressão total de alimentação. Esse recurso também é usado para alcançar a rotação ideal do motor o mais rapidamente possível durante as trocas de marchas: assim, os tempos de trocas da transmissão automática são reduzidos. Nas reduções de velocidade, o motor elétrico funciona como um alternador recuperando energia cinética e carregando a bateria. A bomba d'água é movida a eletricidade e comandada por um mapa que adapta continuamente o fluxo do líquido de resfriamento à necessidade do momento.