Se a magia do Natal se revela no amor ao próximo, o significado desta data tão especial foi entendido desde cedo pela pequena Emanuelly da Luz Rodrigues. Aos seis anos, a paranaense destinou o próprio pedido ao Papai Noel para tentar ajudar uma outra pessoa.

Moradora de Manoel Ribas, na região central do Paraná, a carta para o bom velhinho foi deixada na caixa de correio da própria casa com um pedido feito por um desenho (veja abaixo): uma cadeira de rodas motorizada para o vizinho Ito Moreto, de 56 anos, que perdeu o movimento das pernas e das mãos há três anos.

“Eu pedi para ele porque eu posso ganhar presente sempre, né? A cadeira dele é bem simples, ele não consegue descer a rua e sair de casa. E eu quero que ele possa passear e me visitar, tomar café aqui em casa, por isso pedi uma cadeira melhor”, contou a pequena.

Pedido foi feito por meio de um desenho para o Papai Noel — Foto: Arquivo Pessoal/Letícia da Luz Vieira

Pedido foi feito por meio de um desenho para o Papai Noel — Foto: Arquivo Pessoal/Letícia da Luz Vieira

Todos os dias, uma cuidadora leva Ito para o lado de fora da varanda pela manhã. É a rotina do paranaense depois de sofrer o acidente em 2018.

Mas, agora, ele tem a companhia fiel de Emanuelly e dos brinquedos que ela leva para brincar.

“É lindo isso que ela fez, não tem nem palavras. Tão pequena, partiu dela, não tem palavras”, reconheceu o vizinho.

A beleza no gesto emociona também a mãe de Ito, de 73 anos. Ela mora junto ao filho e ajuda nos cuidados com ele desde que o homem perdeu parte dos movimentos do corpo.

Com lágrimas nos olhos e a voz embargada, ela ressaltou a importância de uma cadeira de roda para a locomoção do filho. “Essa menina é linda”, disse.

O sentimento de admiração pela atitude de Emanuelly também é partilhado pela família e pelos funcionários da escola onde estuda. Isso porque o pedido partiu da própria criança, sem orientação de nenhum adulto.

“A gente ficou surpreso, é muito bonito ver essa atitude dela. Partiu dela sozinha fazer o pedido para o Papai Noel da cadeira de rodas. A gente disse para a Manu que por ser muito pesada talvez ele [Papai Noel] não consiga trazer no dia 25, mas que a atitude é o principal e nos ensina muito”, comentou a mãe de Emanuelly, Letícia da Luz Vieira.

Campanha de arrecadação de lacres

Junto com família, Manu faz campanha de arrecadação de lacres — Foto: Arquivo Pessoal/Letícia da Luz Vieira

Junto com família, Manu faz campanha de arrecadação de lacres — Foto: Arquivo Pessoal/Letícia da Luz Vieira

Para tentar realizar o pedido de Natal de Emanuelly, a família da pequena paranaense iniciou uma campanha de arrecadação de lacres que tem mobilizado muitos moradores da cidade.

Até segunda-feira (20), a ação registrava cerca de 25 mil lacres recolhidos, segundo Letícia.

A mãe comentou que para conseguir a cadeira ainda falta muito, mas que aos poucos o objetivo será alcançado. Além disso, Letícia também exalta a importância do espírito de empatia e solidariedade tão presentes durante as festas de fim de ano.

Além da arrecadação para alcançar o objetivo pessoal, Emanuelly também participa de uma iniciativa semelhante na escola onde estuda. Eles coletam lacres que são destinados, depois, a uma organização sem fins lucrativos (ONG).

(G1 Paraná)