Cascavel – Apesar da pressão na rede hospitalar, com UTIs cheias e que não baixam de 95% de ocupação mesmo com abertura de novos leitos, a pandemia no Paraná apresenta o primeiro alívio significativo desde que a segunda onda explodiu em março, transformando-o no mês mais letal até agora no Estado. A média móvel de mortes (de sete dias) atingiu nessa segunda-feira (21) o menor nível desde o início de fevereiro, ficando em 49 mortes/dia, queda de 68,2% em relação à média de 14 dias atrás.

Para se ter uma ideia, o Paraná chegou a registrar quase 250 mortes por dia no pico da pandemia, em meados de março deste ano, quando mais de 6,2 mil pessoas perderam a vida para a covid-19.

O gráfico da Secretaria de Saúde é dinâmico e considera os óbitos por data de ocorrência e não por confirmação. Por isso, não está destacado o recorde da última sexta-feira (18), cujo boletim informou 495 mortes, pois várias delas eram de dias anteriores. E é por essa razão também que a média de ontem pode sofrer alteração ao longo da semana, já que é “móvel”. O cálculo considera os óbitos confirmados em sete dias, divididos por sete, o que informa a média diária, sempre comparando com a média de 14 dias atrás.

Ontem, o Estado também completou uma semana com menos de mil pessoas na fila aguardando internamento. A média tem sido de 889 pessoas, sendo 500 para UTI.

O “alívio” é explicado pela expansão da rede de saúde. Nessa segunda-feira, o Paraná tinha 2.007 UTIs SUS, a maior estrutura desde o início da pandemia. Dessas, 95% estavam ocupadas, taxa que não baixa de patamar desde fevereiro, quando havia cerca de 1.300 UTIs SUS.

Após passar de 6 mil pessoas internadas na rede para tratar covid-19, ontem o Estado registrava 5.269 pacientes nas alas exclusivas, o menor número desde 17 de maio. Desses, 2.328 estão em UTI, o menor número desde 26 de maio.

 

Infecção

Em contrapartida ao alívio da mortalidade, a média móvel de casos segue em patamar elevado. Ontem, marcava 3.461 casos/dia, queda de 27,9% em relação à média de 14 dias atrás, mas ainda alta. Na semana passada, a média se manteve abaixo de 3 mil casos/dia.

Isso confirma que a pandemia continua acelerada no Paraná, embora menos letal do que nos últimos meses. Ontem, o Estado voltou a bater recorde de casos ativos, com 335.841 pessoas contaminadas que têm capacidade de transmitir o vírus. É o maior número já registrado desde o início da pandemia e a primeira vez que ultrapassa a casa dos 330 mil casos.

 

 

 

Saúde divulga 13.582 casos e 42 óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa segunda-feira (21) mais 13.582 casos confirmados e 42 mortes pela covid-19 no Paraná. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.210.584 casos confirmados e 29.870 óbitos.

Os casos divulgados ontem são de janeiro (16), fevereiro (85), março (72), abril (105), maio (5.892), junho (7.396), e o restante de 2020 e só confirmados agora.

Quanto às mortes, tratam-se de 20 mulheres e 22 homens, com idades que variam de 31 a 96 anos. Os óbitos ocorreram de 9 de setembro de 2020 a 21 de junho de 2021.