Informe da redação do dia 10 de janeiro de 2019

Cem bilhões voando

Não foram necessárias nem duas semanas completas em 2020 para que R$ 100 bilhões deixassem o bolso dos brasileiros em direção aos cofres dos governos. Esse é o valor que o Impostômetro irá mostrar às 12h50 deste domingo (12), montante que envolve impostos, taxas e contribuições pagos pela população desde o início do ano. Para Emílio Alfieri, economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), o que explica a arrecadação elevada em uma economia morna é a eleva carga tributária do País.

Sem previsão

Reduzir essa carga de impostos (35%, em média), segundo o economista, não está na mira de governantes e congressistas neste momento: “Mesmo arrecadando muito, os governos gastam muito. Esse valor de R$ 100 bilhões, por exemplo, é equivalente ao déficit público esperado para 2019”, lembra Alfieri.

Oeste bilionário

Por aqui, no oeste, os contribuintes pagaram R$ 1 bilhão de impostos ano passado. Veja mais na reportagem da página 5 desta edição.

Voos mais altos

Em entrevistas à imprensa paranaense, o chefe da Casa Civil, Guto Silva, disse que o primeiro ano do Governo Ratinho Junior preparou o Paraná para voos mais altos: “As grandes mudanças acontecerão a partir de 2020”. No entanto, Guto Silva reconheceu que alguns programas e propostas não avançaram como o esperado, alegando que o ano foi de ajuste na máquina e nas finanças do Estado.

Limite prudencial I

Cálculos internos da Secretaria de Finanças apontam que a Prefeitura de Cascavel voltou a extrapolar o limite prudencial – o máximo é de 51,3%, no entanto, a folha chegou a 51,83% da receita líquida. Com isso, a administração municipal entra em sinal de alerta, embora não sofra sanções. A prefeitura estima gastar R$ 154,2 milhões com salários este ano.

Limite prudencial II

O levantamento é extraoficial, visto que o TCE (Tribunal de Contas do Estado) só emitirá o parecer entre 15 e 20 de janeiro. Os dados são dos gastos de setembro a dezembro do ano passado. No mesmo período de 2018, a folha representava 52%, baixou após ação do prefeito Leonaldo Paranhos, e voltou a subir, conforme previsão do próprio prefeito, especialmente por causa do reajuste salarial de 5,07% ao funcionalismo.

Devolução

Em São Miguel do Iguaçu, o vereador Chico Mota, representando o presidente do Legislativo municipal, entregou nesta semana ao Executivo a segunda parte da devolução referente às economias feitas em 2019. O prefeito Claudio Dutra, o vice Albino Bissolotti e a secretária de Finanças, Elenice Inês Marques Daminelli, receberam o cheque de R$ 239.262,17. Em dezembro já haviam sido repassados R$ 2 milhões.

Posse

Os conselheiros tutelares eleitos em outubro do ano passado em todo o Paraná tomam posse nesta sexta-feira (10) nos seus respectivos municípios. Em Cascavel, a solenidade está agendada para as 8h30, na prefeitura.

Dia de promoção

No dia em que foi promovido a chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais do Ministério da Economia, Esteves Colnago aparece em outra lista: a de 29 acusados por supostos prejuízos de R$ 5,5 bilhões a fundos de pensão da Caixa, da Vale, do Banco do Brasil e da Petrobras. O assessor do ministro Paulo Guedes garantiu que nada fez de errado e que está à disposição da força-tarefa da Greenfield para esclarecer o que for preciso.

Prisão suspensa

O juiz Fernando Bardelli Silva Fischer, de Curitiba, concedeu habeas corpus para o policial militar Marcos Salvati, que estava em prisão disciplinar em Pato Branco. Foi a primeira decisão no Paraná baseada na Lei 13.967/19, que extinguiu a possibilidade de prisão por infração disciplinar militar. Ainda sem regulamentação, após o HC, a Corregedoria-Geral da PM do Paraná suspendeu as penas de cerceamento de liberdade.

 



Fale com a Redação

9 + dois =