O Ecomuseu de Itaipu recebeu, na última quinta-feira (22), o 1º Fórum da Inclusão da Pessoa com Deficiência (PCD) em Foz do Iguaçu e Região. O encontro promovido pelo Programa Força Voluntária, da binacional, reuniu representantes dos governos estadual e municipais, instituições, empresas, além de PCDs, com o objetivo de conhecer realidades diferentes e outras perspectivas. Cerca de 90 pessoas participaram do dia de debates e palestras.

A ação está focada no apoio ao terceiro setor, por meio do projeto “Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho em Foz do Iguaçu e Região”, gerido pelo Força. A ideia é que todos os envolvidos possam trabalhar o tema juntos. “A partir deste encontro, estamos criando grupos de trabalho, para que o assunto seja debatido não pelas empresas ou instituições, mas por todos, se não a gente não avança”, disse Lilian Paparella, coordenadora do Programa.

Segundo o secretário de Assistência Social de Foz, Elias de Souza Oliveira, o evento é um primeiro passo para que a gestão pública do município elabore um plano de defesa da pessoa com deficiência. “Este plano contará com estratégias, direitos, ações e serviços públicos que deverão ser cumpridos pela sociedade e todas as suas áreas, em defesa do PCD”, avaliou.

Para Eloani Vollbrecht, que tem uma filha com deficiência, o encontro foi uma oportunidade para trocar experiências. “É preciso incluir a PCD na sociedade e nós temos visto isso, mas ainda há muito a se fazer e só vamos conseguir juntos”, afirmou. “Quero poder ajudar ainda mais. A família aprende muito com os profissionais e eles com a gente”.

Dia de atividades

O encontro teve início pela manhã. Flávio Santos, analista de projetos da Ação Social para Igualdade das Diferenças (Asid), apresentou esya organização sem fins lucativos e qual sua atuação na causa da PCD. Houve ainda discussões em grupo e mesa redonda sobre a “Inclusão na Prática”. Antonio Fernando Machado, da Divisão de Seleção e Acompanhamento de RH (RHDA.AD), apresentou o edital do processo seletivo da Itaipu e a forma de contratação das pessoas com deficiência na binacional.

Na palestra magna, Flavia Bandeira Cordeiro Portella, da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social, falou aos participantes sobre sua carreira, desde a descoberta da sua deficiência, o processo de aceitação e sua atuação no mercado de trabalho. “Busquei mostrar a eles a importância de todos os envolvidos no processo de inclusão, governo, empresas, instituições, família e o próprio PCD”, explicou.

Flavia, enquanto presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, foi uma das responsáveis pela elaboração do Plano dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado do Paraná, concebido para os anos de 2018 a 2021. O documento é um compilado de ações, metas, planejamentos e indicadores que buscam remover barreiras que limitam ou impedem o desenvolvimento das potencialidades da PCD.

“Este é um legado que deixamos para as próximas gestões estaduais e também uma forma de a sociedade civil cobrar o poder público de algumas ações específicas que foram planejadas na área da pessoa com deficiência”, destacou Flavia.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, mais de 2,5 bilhões de MWh. Em 2016, a usina brasileira e paraguaia retomou o recorde mundial anual de geração de energia, com a marca de 103.098.366 MWh. Em 2017, a hidrelétrica foi responsável pelo abastecimento de 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 86,4% do Paraguai.