Giro político do dia 10 de julho de 2019

Sem adiamento

O regime de urgência do projeto para a retomada do gerenciamento da bilhetagem eletrônica do transporte público de Cascavel deu o que falar. As críticas foram grandes por parte da oposição, que cobrou uma justificativa plausível para as sessões extraordinárias convocadas pela Presidência, o que inviabilizou adiamento ou pedido de vista do projeto. Quem respondeu foi o líder de Governo, Romulo Quintino (PSL), que partiu em defesa do Executivo municipal. Já Alécio Espínola deu sequência à discussão sem dar ouvidos aos reclamantes.

Contra a cidade

O prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) se posicionou publicamente dizendo que quem votasse contra o projeto estariam contra o Município, situação repercutida em plenário pelo vereador Pedro Sampaio (PSDB). “Temerário o prefeito do porte de Cascavel falar isso. Não jogue ao vento que somos contra o futuro da cidade. Estamos questionando. Ele já passou por essa cadeira”, disse Sampaio.

Governo criticado

Os vereadores decidiram discursar contra a decisão do governador Ratinho Júnior (PSD) em apresentar reajustes aos servidores abaixo do reivindicado. Em coro, os parlamentares discursaram sobre os 17,04% de defasagem acumulados nos últimos quatro anos. Já os deputados daqui…

Sobrecarga no Consamu

A inclusão de Foz e Pato Branco no Consamu Oeste provocou discursos dos parlamentares. A preocupação é com uma sobrecarga. “Quanto mais cidades, maior a dificuldade”, alerta Roberto Parra (MDB). O presidente da Comissão de Saúde, Josué de Souza (PTC), busca dados e ganhou apoio de Rafael Brugnerotto (PSB), que esteve à frente da implantação do Consamu/Oeste.

Sindicatos na mesa

O Paço recebe hoje sindicalistas pare discutir outros itens de pauta que ficaram fora do reajuste de 5,07%. No caso do Sismuvel, a reivindicação principal está relacionada ao direito à cesta básica. Os professores cobram o piso nacional. Uma reunião está marcada para as 16h com o secretário de Planejamento, Edson Zorek.

Extinção em debate

Hoje os servidores da Cettrans prometem lotar o plenário da Câmara, durante audiência pública, às 19h, para discutir o fim da empresa pública. Eles já aprovaram, inclusive, indicativo de greve, por entenderem que a medida é prejudicial. Aliás, o vereador Valdecir Alcântara lançou nas redes sociais o questionamento sobre como a população analisa essa decisão do Município. De lavada, os posicionamentos contrários representam 90%.

 



Fale com a Redação

8 − cinco =