Cascavel – Os sinais da recuperação e da confiança do empregador têm estimulado as novas contratações em mais um avanço registrado no mês de setembro, segundo relatório mensal do Caged (Cadastro Gerald e Empregados e Desempregados). Este é o nono mês de crescimento neste ano na região se comparado a igual período de 2017.

Somente em setembro os seis principais municípios do oeste, Cascavel, Foz do Iguaçu, Toledo, Marechal Cândido Rondon, Assis Chateaubriand e Medianeira, geraram 1.227 novas oportunidades com carteira de trabalho assinada. É o melhor desempenho para o mês desde o ano de 2012. Isso significa que, em 30 dias, a média diária de contratação foi de quase 41 trabalhadores, indicador 111% maior que o observado no mesmo mês do ano passado quando, em todo setembro, os mesmos municípios haviam efetivado 582 trabalhadores, média de 19 por dia.

Um terço das novas contratações está associado ao setor de serviços que, sozinho, empregou em setembro 465 pessoas, seguido do comércio, com 355 novas efetivações. A justificativa está nas contratações temporárias para as vendas de fim de ano que começaram a aparecer gradativamente.

A indústria da transformação, que há cinco anos era líder nas efetivações regionais, agora ocupa a terceira posição, com 205 novas contratações no mês.

No acumulado do ano o desempenho também é bem superior ao registrado no ano passado e nos últimos três anos. De 1º de janeiro até 30 de setembro o oeste recolocou no mercado de trabalho, nos seis municípios avaliados pelo Ministério do Trabalho, 7.708 colaboradores. O número representa quase o dobro dos efetivados em nove meses do ano passado, quando foram 4.023 efetivações.

No ano, o setor de serviços respondeu por 57% das contratações (4.398), seguida então pela indústria com 2.276 e a construção civil com 823 novas funções formais. No mesmo período do ano passado, a construção acumulava fechamento de 353 vagas nos nove meses. O comércio aparece apenas com 477 vagas abertas neste ano.

Entre os setores que menos empregaram ou que demitiram mais do que efetivaram destaque para a administração pública. Neste ano foram extintas 261 ocupações em repartições públicas cujos trabalhadores tinham contrato por CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). A agropecuária acumula o fechamento de 93 vagas de trabalho, embora tenha contratado 52 mês passado.

O município do oeste que mais empregou foi Cascavel com 554 novas carteiras assinadas em setembro, seguido por Foz do Iguaçu com 343 e Toledo com 143. No acumulado de 2018 Cascavel registra 2.876 novas oportunidades formais, Foz 2.146 e Medianeira 1.122.

Paraná é o 4º no País

Beneficiada pelos serviços e pela indústria, a criação de empregos com carteira assinada atingiu em setembro o maior nível para o mês em cinco anos. Segundo dados divulgados pelo Caged, 137.336 postos formais de trabalho foram criados no último mês no País.

A última vez em que a criação de empregos tinha superado esse nível tinha sido em setembro de 2013, quando as admissões tinham superado as dispensas em 211.068. A criação de empregos totaliza 719.089 de janeiro a setembro e 459.217 nos últimos 12 meses.

Sete dois oito setores econômicos criaram empregos formais em setembro, destaque para serviços (60.961), indústria (37.449 postos) e comércio (26.685 postos). A construção civil abriu 12.481 vagas, seguida pelos serviços industriais de utilidade pública (1.091 vagas), administração pública (954) e extrativa mineral (403).

O nível de emprego caiu apenas no setor da agropecuária, que demitiu 2.688 trabalhadores.

As maiores variações positivas no saldo de emprego ocorreram em São Paulo (22.448 vagas), Pernambuco (21.414), Alagoas (15.179) e Paraná (9.487).