Foz supera cobertura vacinal de menores de 1 ano em 2019

De 88% a 112% a cobertura vacinal foi intensificada com trabalho nas unidades e informação à comunidade

Foz do Iguaçu alcançou e até superou as metas de cobertura das principais vacinas no calendário da primeira infância (zero a 01 ano) de 2019. A notícia foi dada pelo secretário de Saúde, Nilton Bobato, esta semana após divulgação do balanço anual realizado pelo setor de imunização da Secretaria de Saúde de Foz do Iguaçu.

O alcance dos números foi possível devido a investimentos realizados ainda em 2018, quando as salas de vacinação nas unidades de saúde, foram equipadas com novos aparelhos, incluindo geladeiras especiais com controle autônomo de temperatura, dentre outras melhorias estruturais. “A contratação de novos servidores para atuarem nas salas de vacinas também potencializou nosso atendimento à comunidade” comentou Bobato.

Vacinas como a BCG, rotavírus, poliomielite, meningocócica C e pneumocócica 10, atingiram mais de 100% de cobertura. A febre amarela ficou com 90% e a pentavalente, com 88%, que mesmo estando abaixo, atingiu a melhor marca de cobertura dos últimos quatro anos. “A exceção ficou a Penta devido a falta de fornecimento da vacina pelo Ministério da Saúde”, explicou.

Para o secretário, os resultados são reflexos de um trabalho em equipe realizado pela Saúde. “O resultado da cobertura vacinal é mais um do trabalho coletivo da gestão da Saúde e a equipe de servidores, que não mediram esforços para alcançarem as metas, com campanhas em finais de semana e busca ativa”.

Expectativa

O atraso no repasse realizado pelo Ministério da Saúde de lotes de vacinas como a pentavalente tem causado preocupação neste início de ano. “Não somente Foz do Iguaçu, mas em todo país, a não distribuição dessa vacina causa preocupação, mas aguardamos que essa situação seja resolvida”.

De acordo com nota emitida pelo Ministério da Saúde a distribuição de 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente iniciou na última quinta-feira (9) aos estados, para abastecer os municípios. De junho a dezembro do ano passado, a oferta foi irregular devido a problemas com os fornecedores. A expectativa é de que as doses estejam disponíveis na cidade até o final do mês de janeiro, de acordo com a Regional de Saúde, que faz a distribuição das doses no estado.

O Brasil não produz esta vacina. A aquisição é feita via Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Em julho de 2019, lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde e em análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A vacina garante proteção contra cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria Haemophilus influenza tipo B (responsável por infecções no nariz e na garganta).

Vacinas  Cobertura/2019
BCG (101%)
Rotavírus (108%)
Poliomelite (103%)
Meningo C (111%)
Pneumo 10 (112%).



Fale com a Redação

7 + seis =