Fim do isolamento: covid cresce 107% desde o Dia das Mães

Após saltos observados desde o fim de semana, ontem o boletim trouxe 187 confirmações da doença, sendo 30 de terça para quarta

Cascavel – O número de casos de covid-19 em Cascavel mais que dobrou desde o fim de semana do Dia das Mães, marcado pela abertura total e com horário ampliado no Município. Na véspera, dia 9 de maio, o boletim trazia 90 infectados em Cascavel. Após saltos observados desde o fim de semana, ontem o boletim trouxe 187 confirmações da doença, sendo 30 de terça para quarta.

Quando usar máscara de pano

O secretário de Saúde, Thiago Stefanello, afirma que o número de casos é um alerta, mas ainda não traz preocupação, uma vez que são levados em conta os riscos apontados na matriz de cálculo que considera o percentual de testagem positiva com a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) gerais no Município. “A matriz é o guia. O número de casos é muito reflexo de maior testagem… não pode ser colocada como grande preocupação, mas um alerta. Preocupação agora é o número de pacientes graves e taxa de ocupação de leitos, e isso diminuiu. Outro fator que está relacionado também [ao aumento de casos] é a maior testagem e o diagnóstico precoce”, explica Thiago.

Essa matriz – que determina a orientação sobre as medidas de distanciamento social – classificava nessa quarta-feira (20) o Município em risco alto, e que as medidas indicadas são as que já estão em vigor.

 

Ocupação de leitos

A segunda matriz analisada calcula o risco à saúde e norteia ações relacionadas ao Plano de Contingência. O cálculo leva em consideração a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados exclusivamente para pacientes com sintomas e/ou confirmação de covid-19.

Conforme a taxa de ocupação desses leitos cresce, aumenta a preocupação e o risco de colapso do sistema de saúde na região macro-oeste do Paraná, ativando o sinal de alerta para o Município de Cascavel e o governo do Estado em relação a novas medidas e à implantação de mais leitos.

A taxa de ontem era de 28,1% na macro-oeste, que considera risco moderado. Nesse caso, as ações recomendadas pelo COE (Centro de Operações de Emergência) são para o início das atividades de dez leitos de UTI adulto no Hospital de Retaguarda para atendimento de síndromes respiratórias graves, o que já aconteceu, e a solicitação de uso dos aparelhos respiradores disponíveis nos municípios da 10ª Regional de Saúde para ampliação da Ala Covid-19 no HU (Hospital Universitário) de Cascavel.

Contudo, a recomendação do COE não deve ser levada em conta pelo Estado. Segundo a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), o gatilho para medidas adicionais é a partir de 60% de ocupação da macrorregião toda, não de uma unidade, visto que é possível remanejar pacientes dentro das macrorregiões e atualmente a taxa de ocupação do Paraná é de 38% em leitos de UTI adulto. A Central de Regulação também unifica a disponibilidade de leitos, para, se for o caso, fazer o remanejamento.

Dentro da macrorregião responsável pelo Município de Cascavel existe oferta de leitos suficientes, tendo nessa quarta-feira (20) 25% de taxa de ocupação de UTI adulto exclusivos covid-19.

Já com relação aos respiradores para equipar a Ala no HU, conforme já foi prometido pelo Estado e até motivo de ação do Ministério Público, a Sesa informou que estão em processo de compra conforme o planejamento.

A reportagem apurou que o governo comprou 30 respiradores, que devem chegar no fim de maio, dos quais dez seriam para o oeste.

Detalhe: após a chegada dos aparelhos, há um prazo para que os leitos possam efetivamente entrar em operação, devido à mão de obra que precisa ser contratada.

Números crescem mais de 70% no oeste

A região oeste segue quase no mesmo ritmo de Cascavel, com alta de 77,35% desde o Dia das Mães, passando de 234 para 415 casos de covid-19. Em alguns municípios, o número de casos triplicou nesse período.

Também subiu o número de cidades com confirmação da doença, de 18 para 27. Dentre eles estão Anahy, Braganey, Campo Bonito, Diamante do Sul, São Miguel do Iguaçu e Santa Tereza do Oeste.

Foz tem melhor desempenho

Apesar de estar em uma tríplice fronteira, Foz do Iguaçu vem controlando a disseminação da doença de forma curiosa. Desde o Dia das Mães, o Município passou de 62 para 80 casos, e isso apesar de ser uma das cidades do País que mais testam a população. “Nós nos colocamos em uma bolha. Fechamos fronteiras, pontos turísticos e aeroporto no momento certo para controlar a doença. Além disso, permanecemos com o comércio fechado por mais de um mês, o que, sem dúvida, colaborou muito para o controle do vírus na cidade. Ainda temos barreiras sanitárias que identificam sintomáticos e já os encaminham para a testagem e isolamento, se necessário. As barreiras devem ser ampliadas para auxiliar nesse controle. Todas as medidas tomadas colaboraram para estivéssemos nessa situação, que está muito melhor do que a que havíamos previsto”, garante o gerente técnico da vigilância epidemiológico de Foz do Iguaçu, Roberto Doldan.

Paraná

Com novo recorde diário ontem, com mais 136 casos e sete mortes, o Paraná registra aumento de 53% desde o Dia das Mães, totalizando 2.616 confirmações de covid-19, e 140 mortes.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

um × três =