Toledo – Uma reunião que estava agendada para hoje (28) em Curitiba com a governadora Cida Borghetti foi reagendada para 6 de dezembro, quando Cida participará de um evento em Foz do Iguaçu. O encontro foi solicitado pela diretoria do POD (Programa Oeste em Desenvolvimento) e pela Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná) e o tema central são alguns entraves burocráticos que estariam retardando o início dos pagamentos das indenizações aos proprietários dos 64 alqueires onde ficará o Aeroporto Regional do Oeste, entre os municípios de Cascavel, Toledo e Tupãssi.

Segundo o presidente do POD, Danilo Vendruscullo, alguns problemas técnicos teriam sido identificados em processos ambientais, como atualizações de impactos. “Entendemos que talvez esse seja um processo mais administrativo do que técnico. A reunião com a governadora é justamente para que ela possa intervir para que o processo caminhe e essas indenizações sejam pagas o mais rápido possível e tudo seja encaminhado conforme o planejado”, explica.

O valor para o pagamento das indenizações já foi depositado pela governadora em julho. São R$ 10,5 milhões que estão disponíveis em uma conta própria e que podem ser usados estritamente para essa finalidade.

De acordo com o apurado pela reportagem, parte dos entraves vem sendo criada por órgãos ambientais em Brasília. “É importante esse encontro com a governadora para que esse projeto não pare. Aliás, esse é um projeto que não pode parar e é uma das prioridades da Amop para o ano de 2019”, ressalta o presidente da Associação, Anderson Bento Maria.

Atualização

Dentre os problemas identificados estariam as desatualizações de estudos de impacto ambiental. “A área para o aeroporto foi designada há 20 anos. Acreditamos que, se houver essa atualização das questões ambientais, o processo poderá caminhar normalmente. É muito mais uma questão de ato administrativo do que propriamente técnico e a governadora poderá ajudar”, completou Danilo Vendruscullo.

A proposta da Casa Civil do Estado era dar a maior vazão possível ao projeto ainda neste ano, com a sinalização para o pagamento das indenizações em 2018.

No início de outubro uma reunião foi realizada com proprietários das áreas a serem atingidas pelas obras. Participaram do encontro, na sede da Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel), técnicos do Estado envolvidos no processo.

À reportagem, alguns dos proprietários procurados nesta semana disseram que desde aquele encontro não houve novo contato e que também aguardavam um posicionamento sobre quais áreas serão atingidas pela obra. “Não sabemos ao certo quanto da nossa área será atingida nem mesmo se ela será atingida. Até agora não sabemos como será. Participei daquela reunião [na Acic] porque um vizinho disse que teria, mas nem fui convidado. Em um projeto antigo, minha lavoura seria afetada pela obra, agora não sei mais”, conta um produtor de Toledo que pediu para não ter o nome divulgado.

Manutenção do projeto

O Aeroporto Regional do Oeste é uma reivindicação antiga. Há registros de pedidos feitos por entidades do oeste à União de mais de cinco décadas, mas apenas neste ano, pelas mãos da governadora Cida Borghetti, o projeto deu um passo significativo com o depósito dos recursos para a desapropriação da área.

Para que uma bandeira antiga não volte para a gaveta, uma equipe da região pediu um encontro com o governador eleito, Ratinho Júnior. Eles querem a sensibilização do futuro governador para que ele mantenha o projeto na pauta das prioridades.

Segundo o presidente do POD, Danilo Vendruscullo, além deste, outros assuntos estão na agenda de articulação com o governador, como as bandeiras defendidas pelo próprio programa que visam ao desenvolvimento integrado do oeste paranaense.

Contudo, esse encontro não deverá ocorrer ainda neste ano. A expectativa dos líderes regionais é de que seja agendado nos primeiros meses do novo governo.