Um triciclo híbrido flex fabricado no Paraná com componentes de origem 100% nacional estará nas ruas em breve. O protótipo foi apresentado ao Governo do Estado nesta sexta-feira (17), no Palácio Iguaçu, pelos sócios da empresa Motiva Motocicletas. O contato foi com a Superintendência Geral de Inovação (SGI), órgão vinculado à Casa Civil, que faz a ponte entre soluções e demandas do mercado e o Poder Público, além de fomentar o ambiente de negócios, fazendo com que o Estado possa se abrir a iniciativas inovadoras.

“O Paraná está de braços abertos para novas tecnologias, para a indústria de inovação e novos produtos. E esse veículo elétrico de custo baixo é totalmente feito no Estado e pode chegar até o mercado internacional. Na inovação, a comunicação é fundamental. Essas novas empresas precisam que investidores saibam que elas estão produzindo”, destaca o superintendente-geral de Inovação do Estado, Marcelo Rangel.

O modelo da Motiva foca em autonomia (de 80 a 120 quilômetros) e adaptação às diferentes rotinas dos usuários. “O modelo é flex primeiro porque você pode usar qualquer tipo de bateria, de chumbo, de lítio, de grafeno, talvez futuramente a célula de combustível de hidrogênio. E segundo, para você colocar na parte traseira um motor a combustão para aumentar a extensão de percurso e a geração de energia interna”, explica o engenheiro mecânico e idealizador do projeto, Luiz Osório Trentini.

Outro destaque é a mobilidade do triciclo, por ser inclinável: “O comportamento no trânsito é igual ao de uma moto”.

Com o tamanho de uma moto de 250 cilindradas, potência equivalente a 300 cilindradas e capacidade de carga equivalente a 80 quilos ou 330 litros, o modelo MT15C pode ter o anexo de carga removido e, então, se transforma em uma versão de uso pessoal – MT15. “Esta moto está nas cores dos Correios porque será entregue para rodarem na Região Metropolitana de Curitiba por uns dois meses para análise do desempenho”, conta Trentini.

A economia no bolso e na emissão de gases do efeito estufa é um atrativo. “É interessante porque você roda e gasta R$ 0,05 por quilômetro e o tempo de recarga é de quatro a cinco horas em uma tomada 220V e de seis a oito horas em uma tomada 110V em casa”, destaca o idealizador do modelo.

Toda a cadeia produtiva da Movida é baseada em empresas nacionais e de grande porte. “Isso garante o fornecimento de componentes independente das variações do mercado internacional e uma rede de assistência ao usuário final”, frisa o engenheiro mecânico Haman Bittar, diretor administrativo da Motiva.

O modelo foi homologado em outubro junto ao Denatran. “Isso significa que a fábrica e o veículo são reconhecidos e o modelo está autorizado para ser emplacado e então rodar normalmente”, afirma o diretor de expansão da Motiva, Ney Queiroz. O próximo passo é a captação de recursos e a ampliação da fábrica que fica em São José dos Pinhais.

FEITO NO PARANÁ – Além de ampla divulgação em veículos de comunicação e redes sociais, o programa Feito no Paraná, criado em 2010, mantém um site onde quem compra pode consultar as Empresas Cadastradas, e quem faz pode Inscrever o seu Produto, conhecer as Regras Gerais e o Chamamento Público e baixar o manual de identidade visual do programa para inserir a logomarca em seus produtos.

AMAZON – O superintendente-geral de Inovação do Estado, Marcelo Rangel, também se reuniu nesta sexta com os diretores da Amazon AWS, braço da gigante global de tecnologia que oferece serviços de armazenamento na nuvem e gerenciamento de dados para Inteligência Artificial. A ideia é construir parcerias com o Governo na qualificação de inovação.

(AEN)