Mesmo com 30% a menos que no ano passado, o último LIRA – Levantamento Rápido de Índice do Aedes Aegypti, realizado na última semana, apontou um volume alto de infestação do mosquito transmissor.

Em 2021, o Lira estava em 6% e agora, reduziu para 4,1%, o que ainda é bem acima do índice de 1% preconizado pelo Ministério da Saúde. Diante disso, a preocupação da secretaria municipal de Saúde se acentua e medidas estão sendo tomadas para prevenir uma epidemia de Dengue.

Em dezembro, por exemplo, os Agentes de Endemias com apoio de demais servidores, efetuaram um arrastão em todos os prédios públicos e agora, o pedido é para que a população faça sua parte: “Estamos em situação de alerta com grande risco de contágio da doença e um fato que chamou a atenção durante o levantamento de larvas, é que  os principais objetos que continham focos do mosquito foram bebedouros de animais, garrafas plásticas e embalagens descartáveis”, afirma o diretor do departamento de Vigilância Saúde, Felipe Menin.

Ele lembra ainda que os proprietários de imóveis podem ser multados diante do descaso com os objetos que armazenam água: “Já tivemos autuações emitidas para moradores e empresários que insistem em não averiguar o quintal, vasos de plantas, calhas e até mesmo os resíduos produzidos e que não são devidamente descartados, portanto, vamos unir forças para eliminar o vetor da Dengue”, finaliza.

 Assessoria