Curitiba – Previsto para ser finalizado em setembro, o protocolo de validação para testes no Paraná da vacina russa contra a covid-19 Sputnik 5 ainda está em elaboração pelo Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná). O documento precisa ser submetido à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e à Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), responsáveis pela liberação do plano de execução da fase 3 dos estudos com o imunizante no País.

Ainda não há previsão de quando o protocolo será finalizado. O Tecpar explica que a produção do dossiê é um processo complexo, “que envolve tratativas técnicas, traduções e estudos sobre os dados que serão utilizados”. Entre as informações sobre a vacina que precisam constar do documento estão características físicas, químicas, embalagem, projeto e propriedades organolépticas do insumo farmacêutico ativo.

O Paraná foi o primeiro estado do Brasil a fechar acordo com a Rússia para a realização de testes com a Sputnik V no País. No fim de agosto, o presidente do instituto, Jorge Callado, disse que esperava entregar o dossiê aos órgãos reguladores até o fim de setembro para que os testes tivessem início cerca de 15 dias depois. Com o atraso no protocolo, as aplicações também vão atrasar.

Segundo o Tecpar, devem participar dos testes 10 mil voluntários, que receberão duas doses do imunizante, com um intervalo de 21 dias entre uma e outra aplicação. Os testes envolverão inicialmente profissionais de saúde e, na sequência, pacientes de grupos de risco, como idosos, hipertensos e diabéticos.

As doses que serão utilizadas na fase 3 do desenvolvimento da vacina serão fornecidas pela Rússia sem custos ao estado do Paraná, mas só poderão ser recebidas após aprovação dos testes pela Anvisa e pelo Conep. Os resultados dessa fase devem ser concluídos em cerca de dois a três meses.

Caso os resultados sejam positivos, a previsão é de que o imunizante esteja disponível no Brasil no início de 2021. O governo do Estado reservou R$ 100 milhões do orçamento de 2021 mais R4 100 milhões da Assembleia Legislativa para aquisição das vacinas.

Começam testes da vacina BCG para prevenção da covid

Rio de Janeiro – Começam nessa segunda-feira (5) os ensaios clínicos com a vacina BCG – usada contra a tuberculose – para verificar a prevenção também contra a covid-19. O trabalho será conduzido pelo Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), pelo Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), e pelo Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran, no estado de São Paulo.

A iniciativa é da RedeVírus, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e conta com investimentos de R$ 1 milhão em recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, disponibilizados pela Financiadora de Estudos e Projetos. Participarão do ensaio mil profissionais da saúde. A Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz também está desenvolvendo ensaios clínicos com a BCG contra o vírus Sars-Cov-2, causador da covid-19.

Cai número de mortes diárias no Brasil

 

Brasília – O número de mortes em razão da pandemia do novo coronavírus chegou a 146.675 nessa segunda-feira, com o registro de 323 óbitos em decorrência da covid-19. Outros 2.540 óbitos estão em investigação.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgados pela pasta no início da noite dessa segunda-feira (5).

Os casos acumulados de covid-19 atingiram 4.927.235, com mais 11.946 diagnósticos positivos da doença.

Ainda há 485.258 casos em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, outras 4.295.302 pessoas já se recuperaram da doença.

Os estados com mais mortes são São Paulo (36.220), Rio de Janeiro (18.780), Ceará (9.056), Pernambuco (8.340) e Minas Gerais (7.656).

São Paulo ultrapassou a marca de 1 milhão de infectados, com 1.004.579 casos confirmados.