São Paulo – O tom ameno do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, que rechaçou qualquer especulação em torno de uma retirada mais rápida dos estímulos monetários, a despeito de índices de inflação mais altos nos Estados Unidos, ajudou na valorização dos ativos locais nessa quarta (14). A Bolsa brasileira (B3) subiu 0,19%, aos 128.406,51 pontos, enquanto o dólar teve queda de 1,87%, cotado a R$ 5,0841, no maior recuo percentual desde o pregão de 31 de março, quando caiu 2,31%.

Na sessão dessa quarta, o real, que havia sofrido em demasia no início do mês, liderou o ranking de valorizações, escorado também na expectativa de entrada forte de recursos para ofertas de ações iniciais (IPOs). Na máxima, o dólar foi a R$ 5,1567 e na mínima, a R$ 5,0679. Em apenas três pregões desta semana, a moeda americana já acumula baixa de 2,96%, reduzindo a alta em julho para 2,23%. A moeda para agosto caiu 1,81%, a R$ 5,0810.