Toledo – A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que trata das denúncias em torno da obra do Hospital Regional de Toledo realiza reunião ordinária nesta quarta-feira (21), às 9h, na Câmara de Toledo. A pauta prevê a apresentação do relatório final pela CPI, conforme decisão tomada em reunião no dia 26 de outubro pela maioria dos membros.

O prazo para apresentação do relatório da relatora Janice Salvador foi proposto pelo presidente Walmor Lodi para 21 de novembro. Participaram os vereadores Walmor Lodi, Janice Salvador e Gabriel Baierle, enquanto Ademar Dorfschmidt e Antônio Zóio não compareceram em função de compromissos anteriores.

A CPI foi solicitada pelo Requerimento 81/2018 para apurar denúncias apresentadas pela auditoria instalada para verificar a execução do contrato e dos aditivos da construção do Hospital Regional de Toledo.

O documento foi apresentado na sessão da Câmara do dia 30 de abril, subscrito por 16 vereadores, motivando a assinatura pelo presidente da Câmara, Renato Reimann, que designou os cinco integrantes indicados pelas seis bancadas e estabeleceu o prazo de 120 dias para os trabalhos.

A CPI teve início em 30 de maio com a escolha dos nomes de Walmor Lodi como presidente e de Gabriel Baierle como vice-presidente. A vereadora Janice Salvador foi designada como relatora e Antonio Zóio e Ademar Dorfschmidt são membros.

Algumas das irregularidades apontadas pela auditoria

*Na parte elétrica foram pagos R$ 484.900,94 mas os serviços não foram executados e outros R$ 618.229,84 foram pagos e executados em desconformidade;

*Outras falhas dos demais serviços, R$ 250.510,22 foram pagos, mas não foram executados, e R$ 279.001,91 também pagos em desconformidade.

*A cabine de medição e proteção foi avaliada e reprovada pela Copel.

*Falta de passagem de cabos, faltam quadros elétricos, painéis, disjuntores, postes, tudo pago.

*As portas das enfermarias têm dimensão inferior à do projeto e precisam ser refeitas.

*Central de gás inacabada;

*Depósito de resíduos sem acabamentos;

*Cobertura executada com material inferior ao especificado;

*Ausência de rodapé de borracha nas rampas pagas no aditivo;

*Coletores solares tiveram a instalação paga, mas não existem;

*Cobertura na saída do necrotério foi paga e não realizada;

*Equipamentos de gasoterapia foram pagos, mas nada foi executado.

OUTROS NÚMEROS:

O prédio tem 8.875 metros quadrados

Foram investidos R$ 11 milhões do governo federal

Foram investidos R$ 5 milhões do governo municipal