Com a economia brasileira ainda no início da recuperação, ainda em meio à pandemia de covid-19, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu nessa quarta, por unanimidade, manter a Selic, a taxa básica de juros, em 2% ao ano. É a segunda vez que a Selic não sofre alteração, após nove cortes consecutivos. A taxa está no piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

Com a Selic a 2% ao ano, o Brasil segue com juro real (descontada a inflação) negativo. Cálculos do site MoneYou e da Infinity Asset Management indicam que o juro real brasileiro está em -0,75% ao ano. Apesar disso, o País ainda tem o 12º juro real mais alto do mundo, considerando as 40 economias mais relevantes.

A decisão dessa quarta era largamente aguardada pelo mercado financeiro. A principal expectativa se refere à alta nos preços dos alimentos em setembro, que fez a inflação oficial (IPCA) disparar.

No mês passado, a inflação somou 0,64%, o maior patamar para o mês desde 2003. No começo de outubro, o IPCA avançou para 0,94%, a maior taxa para o período em 25 anos.

Inflação dos alimentos sobe 9,75%

A disparada no preço dos alimentos fez a inflação percebida pelos brasileiros mais pobres mais do que triplicar em relação à dos mais ricos em 2020. De janeiro a outubro, a inflação das famílias de renda muito baixa foi de 3,68%, enquanto a da alta renda ficou em apenas 1,07%.

Os dados são de um estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) feito com exclusividade para o Estadão, considerando informações do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e do IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15), apurado pelo IBGE. O levantamento simula que o desempenho do IPCA de outubro seja idêntico ao da prévia, o IPCA-15, divulgado na sexta-feira passada.

Comer e beber ficou 9,75% mais caro entre janeiro e outubro de 2020, nos dados da inflação pelo IPCA-15, que subiu 2,31% no período. Considerados apenas os alimentos consumidos no domicílio, aqueles comprados em supermercados, o avanço de preços no ano foi de 12,69%.

“O preço dos alimentos mudou de patamar e vai continuar subindo, só vai subir menos”, alertou o professor Luiz Roberto Cunha, decano do Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio.

Como consequência, a inflação percebida pelas famílias de renda mais baixa subiu a 5,48% nos 12 meses encerrados em outubro, acima da meta de 4% perseguida pelo Banco Central. Entre os mais ricos, a inflação foi de 2,50% no período.