Como fugir de golpes na Black Friday?

Professora de Direito do Consumidor dá dicas de como os consumidores podem ficar atentos a pegadinhas na Black Friday e quais são os seus direitos

Dia 29 de novembro é a Black Friday, data cada vez mais popular no Brasil e que se caracteriza pela queda nos preços de diversos produtos. Muitos esperam ansiosamente por esse momento o ano todo para poder adquirir o que sempre sonharam por preços mais baixos.

No entanto, a data pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça, já que muitos consumidores são enganados por descontos falsos, propaganda enganosa ou até produtos e lojas inexistentes. A professora de Direito do Consumidor da Cesuca, Mariana Azambuja, dá algumas dicas para evitar ao máximo cair nos truques da Black Friday.

  1. Acompanhe os preços e desconfie daqueles que forem muito baixos
    A Black Friday tem oportunidades imperdíveis, mas é muito importante que os consumidores foquem naquilo que realmente precisam e não saiam comprando desenfreadamente. “O ideal é acompanhar os preços do produto ou serviço que precisa em sites e lojas físicas alguns meses antes da Black Friday. Assim, fica mais fácil identificar se o valor estará mesmo reduzido”, conta a professora.
    Além disso, desconfie de preços muito baixos, pois eles certamente são golpe. Existem diversos comparadores de preços online que podem ajudar o consumidor a não cair nessa.
  1. Assegure-se de que a loja existe
    É muito importante investigar as lojas e garantir a sua existência antes de inserir seus dados e realizar a compra. Segundo a professora Mariana, o consumidor deve conferir se a empresa possui CNPJ, razão social, nome fantasia e endereço e telefone no Brasil. “É muito comum sites falsos apresentarem um endereço e telefone do exterior. As informações da empresa geralmente podem ser encontradas no rodapé do próprio site”, diz.
    Outra dica é somente realizar a compra em grandes redes ou lojas já conhecidas pelo consumidor, quando possível.
  1. Verifique a lista negra do Procon e sites de reclamação
    No site do Procon é possível encontrar uma lista negra com lojas que possuem muitas reclamações. É recomendado acessar o site alguns dias antes da Black Friday para verificar quais são as lojas na lista e evita-las ao máximo. Sites de reclamação como o Reclame Aqui também são boas opções para verificar a seriedade e reputação das empresas.
  1. Fique atento à segurança do site
    A maioria dos consumidores opta por realizar as compras da Black Friday online, mas muitos temem inserir seus dados bancários ou realizar pagamentos pela internet. A dica nesses casos é comprar apenas de sites seguros que têm um cadeado verde do lado da URL, à esquerda na barra de endereços do navegador. “Sites com o cadeado são mais seguros porque usam criptografia que pode ser decifrada apenas pelo receptor, dificultando o acesso externo e roubo de informações”, explica a professora Mariana.
    A forma de pagamento também deve ser levada em consideração. Prefira sites que possuem sistemas de pagamento confiáveis, como PagSeguro PagBank, e evite lojas que só aceitam boletos, pois esses são mais fáceis de fraudar.
  1. Guarde os comprovantes
    Se o consumidor for enganado, a melhor opção é procurar o SAC da empresa para tentar resolver o problema. Se nada for feito, ele pode e deve acionar os órgãos de proteção ao consumidor, como o Procon e consumidor.gov.br.
    Para isso, é importante ter em mãos as provas, que asseguram seus direitos. “Prints e fotos de ofertas, histórico de conversa com o vendedor, comprovante de transação e nota fiscal devem ser coletados para servir de prova”, conclui a professora.


Fale com a Redação

20 − 4 =