Com venda de paçocas, jovem sonha em estudar nos Estados Unidos

Jovem sonhador vende paçocas em semáforo de Cascavel para viajar a estudo

Reportagem: Josimar Bagatoli 

Cascavel – Movido pelos sonhos e principalmente pela coragem, o semáforo virou a empresa de Nilton Aparecido da Rosa Junior, 26 anos. Em tempo de vendas pela internet – onde encontra-se de tudo, ele oferta a cada dois minutos apenas um produto: paçocas. E elas têm um objetivo que pra muitos é visto como praticamente impossível: estudar nos Estados Unidos.

Diante das negações dos motoristas, dos olhares desconfiados com os vidros fechados, Nilton não desanima. Mesmo com o não de seus clientes, ele agradece com um sorriso enorme. Mas a aprovação dos motoristas têm alimentado esse sonho e feito ele ir todos os dias para o cruzamento da Avenida Tancredo Neves com a Rua São Paulo. “Quero estudar fora do país pelo aprendizado. América é um país promissor, de trabalho – mesmo com toda essa crise”.

Embora tenha feito matrícula e até estudado alguns meses de Gestão Ambiental e Técnico em Administração, ele preferiu mesmo a experiência da rua. Como milhares de jovens, tem buscado referências na internet, os famosos youtubers. A inspiração dele é Flávio Augusto da Silva, empresário e escritor brasileiro, fundador da empresa Wise Up e proprietário do Orlando City Soccer Club. “Estou correndo atrás desse sonho há dois meses: já tenho passaporte e vou atrás do Visto Americano. Acompanho uma onda de empreendedorismo. O setor de vendas é a melhor maneira de se conseguir dinheiro. As pessoas pensam que estou em uma situação ruim, mas estou em busca de um sonho. Vejo meu trabalho como uma empresa”.

Por dia, o jovem sonhador não para de trabalhar enquanto não arrecada R$ 250. É um corre-corre de deixar suor cair pelo rosto o dia todo, debaixo de um sol de 37°C, que não o desanima. São R$ 3,2 mil por mês. “Ganho mais do que se estivesse registrado”. Mas quem avalia como alto o valor que ele consegue também precisa ver um fator fundamental para esse resultado: a coragem. “A pessoa tem que ter muita coragem. Penso: se você não tiver coragem de correr atrás do seu sonho, alguém vai correr para você? Ninguém faz e alguns desencorajam os sonhos. É assim que eu penso. Dificl é pra todos”.

A meta é em fevereiro ir para São Paulo em uma segunda etapa e deixar para trás a família que é de Cascavel. “Lá vou decidir, mas vou continuar vendendo por lá até consegui viajar. Quando há um desafio, tem que aceitar. Depois vemos como vamos fazer. Do céu só vem chuva e sol… e o mundo é igual pra todos”. Na despedida, entre os carros, Nilton comemora mais uma venda e manda o recado: “você ainda vai ouvir falar muito de mim”!

 

 

 

 

 



Fale com a Redação

13 + onze =