Com medo da dengue, venda de inseticidas dispara

Na luta contra o Aedes aegypti, consumidores se armam com veneno

Os números assustam: já são 13 mortes causadas pela dengue no Paraná, mais de 20 mil pessoas que contraíram a doença e 62 cidades em epidemia.

Cascavel tem 85 casos confirmados e 264 suspeitos, conforme a Secretaria de Saúde. Há ainda a espera pelo resultado de dois casos de dengue hemorrágica, cujas pacientes já ganharam alta hospitalar.

O risco é alto para epidemia, considerando o índice de infestação do mosquito de 5,2% do LirAa (Levantamento de índice Rápido Amostral por Aedes aegypt) e as condições climáticas.

Na luta contra o mosquito, disparou a busca por inseticidas e repelentes nas farmácias e nos mercados. A pedido da reportagem, uma rede de supermercados levantou os dados da venda de repelentes e inseticidas. Em janeiro, na comparação com outubro de 2019, as vendas cresceram 90% e 53%, respectivamente.

“Esta época do ano aumenta bastante as vendas, por isso reforçamos o estoque e a reposição tem sido constante. Inclusive, tivemos que montar uma ponta exclusiva para a exposição de repelentes e inseticidas, porque só a gôndola não está dando conta”, revela o gerente Wagner Theodoro.

Rosângela Titão confessa estar apreensiva com a atual situação. “Estamos sempre preocupados. É preciso tomar os cuidados necessários, mas penso que, nesta época de chuva e muitos casos de dengue, todos devem redobrar os cuidados. Costumo comprar inseticidas e repelentes, pois é muito importante tê-los em casa”.

Gerente de compras de duas redes de farmácias, Lenir Cavalheiro conta que a procura por repelentes aumentou consideravelmente nos últimos dias. “As vendas aumentaram 50% em relação ao ano passado, mas penso que vai aumentar mais, porque vários estabelecimentos não se prepararam a essa procura e já estão em falta diversas apresentações. A nossa rede reforçou os estoques”.

Lenir acrescenta que a venda de álcool gel, máscaras higiênicas e até de vitamina C (para melhorar a imunidade) também cresceu e a rede até montou um kit sugestivo, com vitamina C + repelente + álcool gel.

Cuidados com inseticidas

Além de matar mosquitos, inseticidas também podem fazer mal aos seres humanos e aos pets. A Secretaria de Saúde publicou um informe com alguns cuidados na hora de manusear o produto:

*Verificar se o produto adquirido tem registro na Anvisa, pois assim apresentam uma série de estudos de eficiência no controle dos insetos e na segurança do seu uso;

*Antes de usar o produto ler com atenção o rótulo da embalagem. Verificar como o produto deve ser aplicado e os cuidados a serem tomados. Muitos produtos não devem ser deixados expostos ao ambiente na presença de crianças e animais, por isso atenção às instruções de uso;

*Quando da utilização do produto, use sempre roupas com mangas compridas, máscaras, bonés, luvas, óculos e calça fechados. Certifique se os produtos utilizados são apropriados para o uso doméstico e não profissional. Nunca fique em áreas com janelas e portas fechadas o local deve ser bem arejado;

*Caso haja suspeita de intoxicações, deve-se procurar imediatamente um posto de saúde ou Centro de Intoxicações, levar a embalagem do produto para que o médico possa medicar corretamente o acidentado;

*Os produtos devem ser armazenados em locais separados de alimentos, de preferência fechados e isolados de crianças e animais.

 



Fale com a Redação

4 × dois =