Moro sobre Alvaro

O juiz Sergio Moro, condutor da Operação Lava Jato e inúmeras vezes citado pelo presidenciável Alvaro Dias no debate da Bandeirantes como alvo de um futuro convite para ser ministro da Justiça, divulgou nota sobre o assunto. Diz o seguinte: “Fui contatado por diversos jornalistas para comentar a respeito das afirmações públicas do senador Alvaro Dias, candidato a presidente da República, de que me convidará para ocupar o cargo de ministro da Justiça caso seja eleito. Informo aos jornalistas e publicamente que reputo inviável no momento manifestar-me, de qualquer forma e em um sentido ou no outro, sobre essa questão, uma vez que a recusa ou a aceitação poderiam ser interpretadas como indicação de preferências políticas partidárias, o que é vedado para juízes.”

Se deu sono…

O teste pode feito in loco: se o debate com os presidenciáveis, quinta à noite, na Band, provocou um só, um mísero bocejo no eleitor, não foi debate, mas técnica de relaxamento. O que é positivo também, dado o grande estresse que as candidaturas e as não candidaturas vêm causando ao povo brasileiro.

…que vergonha!

Da minha parte, que recebi a incumbência do Monsenhor Celso para assistir e comentar, passei vergonha. Do terceiro bloco, ou teria sido o segundo?, só consigo me lembrar de Marina Silva dizendo que ia propor um plebiscito para a sociedade brasileira decidir sobre o aborto. O resto é silêncio que acomete o sono reparador.

Vi Alvaro…

Mas deu pra ver o senador Alvaro Dias envergar uma camisa azul escura com um blazer preto, sem gravata, e concluir que os anos também passaram pra ele, apesar dos cuidados com a forma física e a pele.

Vi Bolsonaro

O capitão Jair Bolsonaro comete mais erros de português do que o candidato ao governo do Paraná Ratinho Jr. E, ao deslizar na gramática, baixa a taxa de periculosidade militar porque remonta ao velho personagem de Chico Anísio, um radical de araque, que vivia repetindo “Teje preso”.

Vi Ciro…

Há que se concluir que os candidatos como Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, este mais do que aquele, aprenderam a técnica de falar bem e rápido sobre os grandes problemas do País para o maior número possível de pessoas.

“Rei dos cara”

Quem ainda não tinha candidato, se prestou bem atenção, continua sem. E faltou “Ele”, “o rei dos cara”, que se estivesse ali teria dominado a cena apenas contando como é ficar entre quatro paredes, dia e noite, e no frio que faz em Curitiba.

Hoje é dia da Maldade

1) Dona Fernanda Richa x Lula: ela pediu pra sair do governo. Ele pediu pra ficar na prisão;

2) A diferença entre Beto Richa e Bin Laden? Até o Bin Laden é capaz de gerar boas notícias: um filho dele se casou e a mãe disse que Bin era um bom menino;

3) Quem já venceu a eleição 2018 no Paraná? O empreiteiro Joel Malucelli, com gente dele junto aos três candidatos;

4) Sem qualquer sombra de dúvida, o comerciante Darci Piana não usou a beleza para ser vice de Ratinho Jr;

5) O presidente da Assembleia, Ademar Traiano, inova na apreciação de vinho. Prefere caixas, mas sem garrafas;

6) Já o deputado Plauto Miró gosta das padarias do Batel. Mas não dos pães, só dos pacotes;

7) “Insuportável perda monetária” mesmo seria os juízes ganharem o salário mínimo vigente;

8) Martha Suplicy deixou o PT, o MDB e a política. Agora só vai relaxar e gozar;

9) A filha de Eduardo Cunha, Danielle, diz que é candidata para defender o legado do pai: usufrutuário de dinheiro ilícito;

10) Duas baleias no litoral de Matinhos e três filhotes de onça pintada no Parque Nacional do Iguaçu: o Paraná sobreviverá!