A segunda turma deste ano do minicurso “Mudando atitudes, preservando vidas” será reunida nesta terça-feira (3), a partir das 18h, na Escola de Trânsito da Transitar, que agora está instalada na sede administrativa da Autarquia, na Rua Erechim, 1436.

A capacitação tem por objetivo promover a ressocialização de cidadãos que respondem por crimes de trânsito e a reflexão em relação ao próprio comportamento e ao papel que exercem na realidade do trânsito. A maior incidência de registros é por embriaguez ao volante.

O minicurso foi interrompido em abril de 2020, devido à pandemia, e retomado em julho deste ano. Para esta turma estão inscritos 17 cidadãos. “Essa retomada é de grande importância, considerando que os crimes de trânsito continuam ocorrendo, infelizmente; e o minicurso tem como grande objetivo fazer com que as pessoas que estão cometendo esse tipo de crime reflitam sobre suas atitudes”, afirma o major Amarildo Ribeiro, do 4º Grupamento de Bombeiros, que coordena o Cotrans/PVT – Programa Vida no Trânsito em Cascavel.

O minicurso é uma das etapas obrigatórias que o cidadão que está respondendo ao processo precisa cumprir para voltar a conduzir veículo no trânsito. “O Ministério Público oferece um processo de persecução penal, durante o qual a pessoa admite o cometimento do crime, para que o mesmo seja encerrado, contudo, ela precisa assumir e cumprir algumas medidas, como realizar essa capacitação, participar de algumas reuniões do A.A [Alcoólicos Anônimos] e prestar serviços comunitários, que normalmente ocorrem no Hospital Universitário com vítimas de trauma”, detalha o major Amarildo Ribeiro.

Sobre o curso

O minicurso é promovido pelo Cotrans/PVT Cascavel – Programa Vida no Trânsito, do qual a Transitar faz parte junto com vários órgãos; o Ministério Público e o Patronato Penitenciário de Cascavel. Ele foi implantado em Cascavel há cerca de quatro anos e se tornou referência no Estado pela metodologia empregada. “Nós procuramos oferecer uma nova compreensão sobre o que é o trânsito, como ele funciona e qual é o papel de cada cidadão. Buscamos resgatar principalmente valores humanos, como, o respeito, a solidariedade, a cooperação, a tolerância e o comprometimento”, ressalta a educadora de trânsito da Transitar, Luciane de Moura.

Conteúdo

Durante três horas/aula os participantes recebem instruções acerca de Legislação de Trânsito, noções de primeiros socorros, educação de trânsito e psicologia; além das palestras de especialistas da Transitar, do Ministério Público, do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal, também ouvem depoimentos de vítimas, de familiares e de pessoas que já se envolveram em acidentes e que hoje enfrentam as consequências do desrespeito às normas.

O curso, conforme lembra a educadora Luciane de Moura, era realizado mensalmente até o início da pandemia com uma média de 35 pessoas, sempre na Escolinha de Trânsito da Transitar. No mês passado, foi realizado no auditório da Prefeitura e, agora, volta a ser realizado na Escolinha de Trânsito.