O Brasil encerrou setembro com o menor número de mortes pela covid-19 desde o início de 2021. Foram 16.275 óbitos pela doença no mês, enquanto em abril deste ano, o período mais letal, os registros somaram 82.401 vítimas.

Embora os números de setembro demonstrem uma queda no índice nacional, pelo menos seis Estados e o Distrito Federal tiveram alta na média móvel de mortes ao longo da semana.

Será que o Brasil pode viver uma nova onda da covid-19 ainda em 2021? A infectologista, professora da Unicamp e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia Raquel Stucchi acredita que sim.

Segundo ela, o avanço da vacinação, com a aplicação massiva da segunda dose, deve controlar a transmissão da doença e, consequentemente, o número de casos graves, hospitalizações e óbitos. No entanto, uma nova onda, impulsionada pela variante Delta, não deve ser descartada.

Embora não descarte um novo pico da Covid-19 no Brasil, Raquel Stucchi explica que os localizados aumentos de mortes pela doença nos Estados não são indicativos de uma nova onda, talvez sejam dados represados de municípios ou pacientes que estavam internados há muito tempo, pacientes mais graves [que evoluíram para óbito].