Após encerrar com recordes de fechamento por seis pregões consecutivos, a Bolsa brasileira (B3) cedeu 0,76% nessa terça-feira (8), aos 129.787,11 pontos, quebrando ainda uma sequência de oito altas. Ontem, desagradou o mercado a confirmação pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de que “possivelmente” o governo vai renovar o auxílio emergencial por mais “dois ou três meses” antes de lançar o novo Bolsa Família. No câmbio, a notícia teve pouco efeito sobre o dólar, que caiu 0,05%, cotado a R$ 5,0345.

A sequência de oito altas do Ibovespa foi a mais longa desde o intervalo entre 14 e 26 de fevereiro de 2018, quando ele enfileirou nove ganhos seguidos. Além disso, o índice também vinha de seis pregões consecutivos batendo recordes intradia. Com o desempenho de hoje, a Bolsa passa a ceder 0,26% na semana, ainda avançando 2,83% no mês e 9,05% no ano. Na máxima de hoje, tocou nos 130,7 mil pontos, patamar em que bateu recorde de fechamento no pregão de ontem.

Participantes do mercado comentaram que a expectativa era de prorrogação do auxílio por apenas mais dois meses.

Analistas apontam que tem havido uma relativa acomodação das preocupações sobre a situação fiscal do País, reforçada pelas mais recentes revisões da atividade econômica e a relação dívida/PIB para o fechamento do ano.