Em 2017 o agronegócio alcançou sua contribuição recorde para o PIB (Produto Interno Bruto) do País, 23,5%, e foi responsável por 48% das exportações. Sistemas informatizados dos mais variados tipos gerenciam as atividades no Brasil, medindo insumos, produção, mercado, entre outros fatores envolvidos nesse cenário, que há décadas mantém o predicado de carro-chefe da economia nacional.

Por outro lado, a produção de resíduos e efluentes resultantes dessas atividades não possui o mesmo nível de tecnologia e organização. Para tentar reverter essa situação, a Embrapa e a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) se uniram para desenvolver um sistema que vai mapear e organizar as informações das biomassas, resíduos e efluentes do agronegócio com foco na bioeconomia.

A iniciativa está sendo iniciada com um sistema-piloto na cidade de Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, estado que responde por mais de 50% do agronegócio no Brasil. No dia 30 de agosto de 2018, o sistema será apresentado aos produtores e empresários da região em um workshop com rodada de inovação tecnológica. O sistema será online e ficará à disposição do público nos portais da Embrapa e da Agência, com níveis diferenciados de acesso para casos de confidencialidade de informações.