WASHINGTON – Micah Johnson, acusado de matar cinco policiais num ataque a arma de fogo durante um protesto em Dallas na última quinta-feira, agiu sozinho, de acordo com autoridades responsáveis pela investigação.

– Acreditamos que agora a cidade está segura – disse o prefeito Mike Rawlings.

A polícia informou que o objetivo de Johnson, reservista de 25 anos que atuou na Guerra do Afeganistão em 2013 e 2014, era “matar brancos, em especial policiais brancos”, segundo os investigadores. Ele atirava nos policiais de uma posição elevada e acabou morto na operação, graças ao uso de um robô-bomba

O chefe de polícia de Dallas, David Brown, e o secretário de Segurança Nacional, Jeh Johnson,também disseram que o atirador parecia ter agido sozinho, embora o governador do Texas, Greg Abbott, tenha afirmado que a polícia continuaria a seguir todo o rastro do atirador, garantindo a eliminação de quaisquer outros suspeitos ou possíveis conspiradores.

Na sexta-feira, oficiais haviam falado sobre um ataque coordenado por pelo menos um sniper. Três outros suspeitos foram presos depois dos disparos, mas nenhum detalhe foi divulgado sobre eles.

A agência Reuters informou que Johnson havia publicado, no sábado passado, mensagens em comunidades na internet de simpatia a grupo de nacionalistas negros, como os Panteras Negras do Mississippi.