Apesar de continuar em patamar elevado, o total de diagnósticos de covid-19 no Paraná apresentou melhora pela quinta semana consecutiva. O número tem apresentado queda desde o final de fevereiro. No entanto, continua alto por se tratar do maior pico de casos desde o início da pandemia, em março de 2020. As reduções são reflexo direto das medidas restritivas adotadas pelo Governo do Estado e municípios ao longo das últimas semanas.

Informe Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde deste domingo (11) demonstra que a semana de 4 a 10 de abril (considerada a 14ª semana epidemiológica) teve 14.636 novos casos, uma queda de 25,77% com relação à semana anterior. É a primeira vez desde novembro de 2020 que o número se distancia de 20 mil casos. O informe leva em consideração os dias das confirmações dos testes, e não sua divulgação.

No histórico, o maior pico registrado desde novembro no Paraná se deu na 9ª semana epidemiológica de 2021 (28 de fevereiro a 6 de março), com 37.831 casos. Desde então, o número de diagnósticos caiu para 35.647 na 10ª semana (7 a 13 de março), 34.122 casos na 11ª semana (14 a 20 de março), 29.585 na 12ª semana (21 a 27 de março) e 19.718 casos na 13ª semana (28 de março a 3 de abril).

A somatória do Estado reflete a situação das quatro macrorregionais do Paraná, que também têm apresentado diminuição no número de diagnósticos. Na região Leste, a queda vem desde a semana epidemiológica 11, totalizando três semanas de regressão. Entre as semanas 11 (pico local) e 14 houve uma diferença de 10,5 mil casos.

Nas regiões Oeste e Noroeste, a queda já ocorre desde a semana epidemiológica 10. No Oeste, são 7,7 mil casos a menos entre as semanas 9 (pico) e 14. Na Noroeste, a diferença é de 5,3 mil casos, no mesmo período.

A região Norte apresentou redução de cerca de 3,4 mil casos entre as semanas 8 (pico local) e 14. O número absoluto é menor porque esta foi a macrorregião que contabilizou o menor pico de casos ao longo do mês de março.

MÉDIA MÓVEL – O número de casos diagnosticados também caiu na média móvel de sete dias. Em 10 de abril, este indicador apresentou média de 2.090 casos, queda de 53,6% com relação ao indicador de 14 dias atrás.

ÓBITOS – A redução nos casos também reflete a baixa no número de óbitos em decorrência da Covid-19, sem contar os casos retroativos anunciados nos últimos dias. A semana epidemiológica 14 registrou 655 mortes no Paraná, redução de 24,89% com relação à semana anterior. A média móvel de sete dias confirma esta tendência. Em 10 de abril, a média era de 93 óbitos, apresentando queda de 49,4% com relação a 14 dias antes.

LEITOS – Atualmente, a média de ocupação dos leitos exclusivos Covid-19 SUS no Paraná é de 78%. A média de ocupação dos leitos UTI adulto é de 94%, de UTI pediátrica 45%, de enfermaria adulto 68% e de enfermaria pediátrica, 41%. Os dados são da Secretaria da Saúde, atualizados em 11 de abril de 2021.

VACINAÇÃO – Para o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, a vacinação é a principal estratégia para o combate da pandemia. Segundo ele, a queda no pico de casos e de mortes pode ser reflexo da imunização.

No entanto, o Paraná ainda está em situação de transmissão comunitária do vírus – quando é impossível rastrear a origem da contaminação. A situação é agravada pela alta transmissibilidade das novas cepas do vírus, como a amazônica, que está em franca circulação pelo Estado. Por isso, a recomendação para os municípios é que utilizem todas as doses de vacinas disponíveis para aumentar o percentual da população já imunizada.

Segundo o Vacinômetro, até a manhã desta segunda-feira (12) o Paraná vacinou 12,47% da população, totalizando 1.304.002 primeiras doses e 337.674 segundas doses. Neste final de semana, em visita a municípios do Interior para estimular a vacinação de domingo a domingo, o secretário afirmou que a previsão atual do Ministério da Saúde é de enviar aos Estados 30 milhões de doses, o que deixa o Paraná com aproximadamente 1,5 milhão.

“Com esse número, nosso foco é começar a vacinar as pessoas com pelo menos 60 anos de idade. Chegando nessa meta, conseguiremos diminuir muito a mortalidade nas nossas UTIs. Hoje, 67% dos paranaenses que perderam a vida para o coronavírus têm mais de 60 anos de idade. Conseguindo imunizá-los, tenho certeza de que vamos baixar a mortalidade de forma geral”, explicou.

A expectativa do Paraná é aplicar a primeira dose nos 4,6 milhões de paranaenses que integram grupos prioritários do Plano Estadual de Vacinação até o final de maio.