COTIDIANO

Além da energia, Itaipu “toca obras”, diz Jair Bolsonaro em Foz do Iguaçu

04 de junho de 2022 às 08:25
Publicidade

 

 

Foz do Iguaçu – A segunda ponte entre Brasil e Paraguai, a Ponte da Integração, está com 84% da obra concluída e deverá ser inaugurada nos próximos meses. Nesta sexta-feira (3), os presidentes dos dois países, Jair Bolsonaro e Mário Abdo Benítez, realizaram visita oficial participaram ao empreendimento, em Foz do Iguaçu. A ponte está sendo construída desde 2019, em uma parceria entre a Itaipu Binacional, comandada por Brasil e Paraguai, e o governo do Estado do Paraná.

Todo o investimento, cerca de R$ 320 milhões, está sendo bancado pela empresa de energia, e a obra está sendo executada pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR). Ela ligará Foz do Iguaçu à paraguaia Presidente Franco, terá 760 metros de comprimento e um vão livre de 470 metros, o maior da América Latina. Serão duas pistas simples com 3,6 metros de largura, acostamento de três metros e calçada de 1,7 metro nas laterais.

Brasil e Paraguai já são ligados pela Ponte da Amizade, entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, inaugurada em 1965. Ela segue sendo é o principal corredor logístico entre Brasil e Paraguai, mas há anos está sobrecarregada. Além da circulação de pessoas entre Foz e Cidade del Este, a ponte concentra o trânsito de caminhões. Com a nova ligação, a Ponte da Amizade ficará exclusiva para veículos leves e ônibus de turismo, enquanto a Ponte da Integração receberá o transporte de carga. Ao final da obra, ela será administrada pelo governo do Paraná.

“Essa obra tem 80% de avanço e falta 100 metros para unir de novo em outra obra que gera integração entre nossos povos”, festejou o presidente paraguaio, Mário Abdo Benítez. Ele lembrou ainda da construção de uma terceira ponte ligando os dois países, desta vez entre Carmelo Peralta, no Paraguai, e Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul. Essa obra também tem parte de sua execução financiada pela Itaipu Binacional.

Em sua fala, o presidente Jair Bolsonaro destacou o papel da Itaipu na realização de diversas obras. “Mais do que uma geradora de energia renovável, é uma empresa que toca obras”, disse. Ele exemplificou o financiamento da extensão da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, em grande parte bancado também por Itaipu, e que promete ampliar a oferta de voos internacionais com destino à região.

“Costumo dizer que a Itaipu é mais do que binacional. Ela envolve um terceiro país que é o Paraná, cujo presidente é o Ratinho Junior. E esse país está sendo transformado em termos de infraestrutura por causa desta parceria entre a Itaipu e o Governo do Estado”, completou Bolsonaro.

 

84% concluída

A obra atingiu 84% de conclusão no fim de maio e tem previsão de ficar pronta ainda neste ano. O investimento total é de R$ 323 milhões. “Obra que o Governo do Estado está fazendo em parceria com o governo federal e com recursos da Itaipu. É a demonstração de que a união de esforços é capaz de conduzir projetos espetaculares, de transformar a vida das pessoas. A ponte é resultado disso tudo”, acrescentou Ratinho Junior.

Além da nova ponte, também está sendo construída uma via perimetral no lado brasileiro. O pacote inclui uma ligação entre a Rodovia das Cataratas e a BR-277 pela Perimetral Leste, por onde será desviado o tráfego dos veículos pesados que circulam entre Brasil e Argentina. O complexo está recebendo aporte de R$ 323 milhões, por meio de recursos da Itaipu.

 

Estrada Boiadeira

Pela manhã, o presidente Bolsonaro, visitou as obras de pavimentação da BR – 487, conhecida por Estrada Boiadeira, em Umuarama. A rodovia vai ligar a Serra dos Dourados, no Noroeste do estado, ao Porto Camargo, distrito de Icaraíma, no Mato Grosso do Sul. A pavimentação vai possibilitar a interligação com o Corredor Bioceânico, uma rodovia de mais de 2,4 mil quilômetros entre Campo Grande (MS) e o Porto de Antofagasta, no Chile, reduzindo em até duas semanas o tempo de viagem das exportações do Centro-Oeste do Brasil até os países do Oriente, principalmente China, Japão e Coreia do Sul.

Iniciada em maio de 2019, a obra é realizada por meio de parceria do Dnit com a usina hidrelétrica Itaipu Binacional e o Governo do Paraná. São R$ 540 milhões de investimentos públicos.

 

Foto: ABr

 

 

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE