Cascavel – Referência nas regiões oeste e sudoeste em alta complexidade, o HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná) possui uma situação financeira delicada. No ano passado, o orçamento para custeio das despesas do hospital somou R$ 34 milhões, neste ano, a unidade está trabalhando com orçamento de R$ 16 milhões, menos da metade do que gastou em 2020.

O reitor da Unioeste, Alexandre Webber, admite que a situação do HU é complicada: “O orçamento aprovado é muito pequeno, não cobre as despesas. O valor repassado até agora é muito inferior ao executado no ano passado, que chegou a R$ 34 milhões”.

O HU iniciou 2020 com R$ 18 milhões e recebeu duas suplementações, uma de R$ 6,5 milhões no primeiro semestre e outra de R$ 10 milhões no segundo, além de receber um valor exclusivo para covid-19, que vem do governo federal. “Este ano, iniciamos com os R$ 16 milhões e ainda não houve complementação nem recebemos o valor federal para covid-19. O custeio em 2020 foi de aproximadamente R$ 3 milhões por mês, este ano, caiu para R$ 1,3 milhão/mês”, explica.

Apesar da redução dos valores, na prática, as despesas tendem a ser maiores. Isso porque a estrutura de UTI para pacientes com covid-19 dobrou em um ano.

No início da pandemia, o HU abriu 30 leitos de UTI exclusivos para pacientes com covid-19, número que foi aumentando ao longo do ano, chegando a 38. Com o agravamento da pandemia em fevereiro, o Estado precisou expandir mais ainda a rede e, desde março, são 70 leitos de UTI, ou seja, aumento de 133% em um ano. Em média, cada leito UTI Covid custa R$ 3,8 mil por dia. Se considerar a ocupação dos 70 leitos, são R$ 266 mil/dia, num mês, são R$ 8 milhões, ou seja, metade do orçamento anual.

No total, o HU tem 114 UTIs, incluindo a Neonatal e a Geral.

Além do aumento das despesas com os novos leitos, o custeio do hospital também disparou com os aumentos de preços dos medicamentos para intubação.

No ano passado, o HU recebeu recurso federal para pagamento de UTI. Neste ano, era para ter sido liberado aporte de R$ 20 milhões para a questão covid-19, mas ainda não aconteceu.

Segundo o reitor Alexandre Webber, para que o HU continue o atendimento, é necessária uma recomposição orçamentária de forma urgente. Ele se reúne nesta sexta com integrantes da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) para tentar uma recomposição do orçamento.

 

Unioeste

O orçamento para custeio dos campus e da reitoria da Unioeste para este ano é de R$ 12 milhões, dos quais 6,5 milhões já foram autorizados e R$ 4 milhões repassados.

De acordo com o reitor, também será necessária uma suplementação para a parte de ensino da universidade.