O secretário de Saúde de Cascavel, Miroslau Bailak, reuniu a equipe de gestores da secretaria para uma coletiva de imprensa ontem para esclarecer denúncias feitas por profissionais de saúde ao Ministério Público.

Por meio de uma carta e de áudios, funcionários da UPA Veneza, hoje exclusiva para pacientes com covid-19, listaram queixas que vão desde a sobrecarga e a falta de profissionais até a falta de insumos e medicamentos.

Bailak disse que o único dia em que houve sobrecarga de atendimento na UPA foi no sábado, dia 29 de maio, quando a equipe teria feito mais de 300 atendimentos. Mas que, a partir do domingo, os atendimentos foram normalizados e que ontem, às 9h, havia apenas um paciente aguardando atendimento.

“[O sistema] não está em colapso. Pode acontecer, se a gente tiver o aumento [de casos]. Nós não estivemos em momento algum em colapso, mesmo naquele sábado que teve sobrecarga”, assegura.

O secretário também negou a falta de matérias hospitalares, como copos, papel toalha, papagaio e comadre (usados para coletar urina de pacientes), bem como ventiladores pulmonares. “Nós colocamos os ventiladores necessários, colocamos as macas necessárias, mandamos mais papagaios, estamos fazendo tudo o que é necessário”.

Na tarde de terça-feira, vereadores foram às UPAs e constataram a falta de alguns medicamentos para a intubação de pacientes, como o rocurônio. “Faltam relaxantes musculares no Brasil, no Estado, mas não falta em Cascavel. Nós nos antecipamos e garantimos a compra de medicamentos, sedativos e relaxantes musculares, mas estamos chegando ao limite. No mês passado, nós pedimos que a Sesa [Secretária de Estado de Saúde do Paraná] enviasse esses medicamentos, mas nos mandaram apenas 75 ampolas, suficiente para sete horas. Prometeram que irão conseguir mais. Enquanto isso, a gente tem outras saídas, utilizamos outros relaxantes, que não são de tamanha qualidade como o rocurônio, porém nosso estoque ainda é suficiente para os próximos dias”, garantiu.

Contratações

Sobre a falta de profissionais, Bailak informou que o Município vai convocar 28 novos médicos que aguardam o chamamento do concurso e abrirá processos seletivos para a contratação de enfermeiros e técnicos de enfermagem.

 

Terceira onda

Miroslau admite que a Secretaria de Saúde foi pega de surpresa com o aumento recente dos casos. “Foi uma surpresa para todos. Os números subiram de maneira extremamente rápida e violenta e isso fez com que hoje estivéssemos com 12 pacientes intubados na UPA”.

Diante do aumento da curva de contágio, a Sesau trabalha com a possibilidade de abrir novos leitos, utilizando, até mesmo, a recepção da UPA Veneza ou a transformação da UPA Brasília ou Tancredo para atendimento exclusivo a covid-19.