A Polícia Civil convocou a imprensa na tarde desta sexta-feira (7) para dar detalhes da operação Vucetich, deflagrada em três cidades do Paraná para desarticular um esquema de emissão de documentos de identificação falsificados.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Rancho Alegre do Oeste, Cerro Azul e Maringá.

A investigação teve início quando o Instituto de Identificação do Paraná verificou, no setor de fraudes, que em Rancho Alegre do Oeste poderia haver mais de 30 RGs feitos a partir de certidões de nascimento falsas.

A Polícia acredita que a quadrilha usava esses RGs para falsificar outros documentos para abrir empresas e contratar empréstimos, em prática de estelionato, e também para lavar dinheiro. “Quem se beneficiava do esquema eram indivíduos com ficha criminal extensa. Eles falsificavam esses documentos para se eximir da responsabilidade criminal”, disse o delegado do DCCO (Divisão de Combate à Corrupção), Rogerson Luiz Ribas Salgado.

A polícia não identificou todos os integrantes da quadrilha e não sabe ainda quem fazia as falsificações. Os responsáveis podem responder por corrupção, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

Apenas uma pessoa foi presa em um cartório de Maringá. Conforme a polícia, ela tem envolvimento com o esquema, mas a prisão ocorreu por posse de munições. A polícia cumpria mandados de busca e apreensão no cartório quando encontrou munições de uma arma e deu voz de prisão ao proprietário do material.

Assista à coletiva concedida pelo vice-diretor do Instituto de Identificação do Paraná, Maurício Jorge Lopes, pelo delegado da DCCO (Divisão de Combate ao Crime Organizado), Rogerson Luiz Ribas Salgado, e pelo delegado-chefe da 15ª Subdivisão Policial de Cascavel, Nagib Palma.