SÃO PAULO – O percentual de cheques devolvidos por falta de fundos caiu em julho, pela segunda vez consecutiva, e chegou ao menor índice do ano ? 2,26% ?, um pouco abaixo do registrado no mesmo mês de 2015 (2,29%). Ainda assim, foi o segundo pior mês de julho desde 1991 em termos percentuais. Foram 1.042.209 documentos devolvidos e 46.134.886 compensados. Os dados são do Indicador Seras Experian de Cheques Sem Fundos.

Em junho, a fatia de cheques devolvidos foi de 2,36%, abaixo dos índices verificados nos três meses anteriores ? 2,39% em maio; 2,38% em abril; 2,66% em março ?, mas um pouco acima do verificado em fevereiro (2,27%). Em janeiro, a parcela foi de 2,41%.

No acumulado do ano, contudo, 2016 tem proporção maior de cheques devolvidos que 2015. A falta de fundos fez com que 2,39% dos documentos emitidos não fossem compensados. No ano passado, a fatia foi de 2,22%.

O estado que mais teve cheques devolvidos foi o Amapá, com fatia de 18%, seguido por Roraima (10,31%) ? únicos em que os índices atingiram dois dígitos. As menos proporções foram registradas em São Paulo (1,81%), Santa Catarina (2,01%) e Paraná (2,04%). No Rio, a fatia foi de 2,11%.