Medianeira – A Polícia Civil de Medianeira começou ontem a ouvir os envolvidos no atentado contra dois adolescentes que aconteceu na última sexta-feira (28), no Colégio Estadual José Manuel Mandrone, em Medianeira.

No dia do atentado, dois adolescentes foram apreendidos acusados dos disparos, mas a polícia acredita que um terceiro adolescente sabia do ataque e desistiu do plano alguns dias antes do crime.

A polícia deve ouvir o garoto, assim como os dois já apreendidos, para esclarecer todo o planejamento do atentado.

A investigação também apontou pelo menos três adolescentes que praticavam bullying contra o principal autor, prática que teria motivado o menor de idade a planejar o ataque e a disparar contra os colegas da sala do 1º ano do Ensino Médio do Colégio. Eles chamavam o adolescente atirador de “Zé Patrola” e de “gordo” e também devem receber alguma pena, de acordo com a Polícia Civil, já que a prática de bullying é crime.

A polícia vai ouvir durante esta semana funcionários do colégio, pais de alunos e os menores envolvidos. A previsão é de que o inquérito seja concluído até o fim da semana.

O ataque

O atentado que deixou dois adolescentes feridos aconteceu na última sexta-feira. Dois garotos dispararam diversos tiros dentro do colégio. Um dos jovens teve ferimentos mais graves, mas, segundo a polícia, já está fora de risco e faz fisioterapia para recuperar os movimentos das pernas, que foram parcialmente perdidos.

O outro adolescente levou tiro de raspão na perna. Eles foram atingidos por dois adolescentes que entraram armados na sala de aula. Com eles a polícia apreendeu arma de fogo e diversos explosivos. Os dois garotos estão à disposição da Justiça e, se condenados, podem permanecer no internato em um Centro de Socioeducação por até três anos.